Farmácias criticam restrições à propaganda de remédios

Duas entidades representativas do setor farmacêutico divulgaram comunicados nesta quinta-feira mostrando indignação com a resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que proibiu a divulgação nas farmácias de imagens e mensagens que caracterizem propaganda de remédios. As farmácias têm prazo de 30 dias (a contar do último dia 24) para se adequarem às novas regras. Para a Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma), a medida "é descabida" e fere o direito e o acesso do consumidor à informação e livre escolha de remédios classificados como "sem restrições de prescrição médica". "A resolução limita o acesso do consumidor a produtos mais baratos, atinge os anúncios de desconto de medicamentos que não necessitam de prescrição e proíbe os tradicionais encartes com produtos de venda livre em promoção, que são fonte de referência para a população", diz a nota da entidade. Na opinião da Federação Brasileira da Indústria Farmacêutica (Febrafarma), a Anvisa fere a legislação em vigor, que orienta propaganda e promoção de medicamentos. "A restrição à divulgação de encartes promocionais de medicamentos nas farmácias prejudica o consumidor de medicamentos isentos de prescrição, ao diminuir seu poder de discernimento e o acesso à informação sobre os produtos de que necessita para o tratamento de males menores", afirma a entidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.