Famílias questionam Viegas sobre acidente do VLS

Pela primeira vez depois da divulgação do relatório final do acidente com o VLS (Veículo Lançador de Satélite), os parentes das vítimas que morreram no incêndio se encontraram com o ministro da Defesa, José Viegas. O encontro aconteceu hoje na Câmara Municipal de São José dos Campos, onde o ministro explicou, com a ajuda de um retro-projetor, o relatório final sobre o acidente. Os parentes lotaram o plenário e muitos choraram durante as explicações. Depois da apresentação do ministro, filhos, irmãos e viúvas das vítimas, ainda abalados, fizeram uma série de perguntas ao ministro. Queriam saber: quem foi o culpado, por que o governo não interrompeu o programa se sabia das dificuldades e se o governo foi imprudente ao estimular o programa sem recursos adequados.O ministro tentou respondeu a cada uma das perguntas. Disse que não há culpados e que "não se pode buscar um bode expiatório para a tragédia"; afirmou que o amor, o ardor e à dedicação dos profissionais ao programa VLS os fez continuar mesmo sem condições. "Se um hospital tem apenas três médicos para atender, ele não pára, continua atendendo apenas com os três médicos", afirmou fazendo alusão à falta de recursos. Viegas não descartou mudanças na administração do programa VLS. "Até mudanças administrativas vamos fazer para que o programa tenha condições corretas e clima para continuar e o próximo VLS ser lançado até 2006".Do ponto de vista técnico - onde e quais foram as falhas - os parentes se disseram satisfeitos, mas gostariam que alguém fosse responsabilizado pelo acidente e que o motivo do acionamento do motor A tivesse sido diagnosticado. "Digo que é incompleto porque não se conseguiu identificar a causa que provocou o acidente", afirmou Luciano Varejão, um dos representantes das famílias na Comissão Técnica de Investigação. Ele e o outro representante José de Oliveira vão acompanhar a continuidade do programa VLS.A maioria das famílias das 21 vitimas do acidente quer entrar com um pedido de revisão da indenização na Justiça. "Nossos advogados já estão finalizando as ações por que não concordamos com a indenização dada pelo governo". De acordo com o ministro, os R$ 100 mil pagos à cada família é a maior indenização feita pelo governo até hoje e significa o teto máximo pago até hoje. O Comando da Aeronáutica e o Centro Técnico Aeroespacial terão 60 dias, a partir de amanhã, para entregar um relatório ao Ministério da Defesa com as alterações e correções necessárias ao Programa VLS.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.