Famílias ligadas ao MST invadem fazenda em Garça

Um grupo de 80 famílias, filiado ao Movimento dos Trabalhadores Rurais sem-terra (MST) invadiu na sexta-feira, 11, a Fazenda Lutélia, em Garça, a 420 quilômetros de São Paulo. A Polícia Militar informou que não foram registrados incidentes durante a ocupação. O grupo afirma que a propriedade já foi desapropriada pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) para assentamento e, por isso, está antecipando a medida do governo. Logo após a entrada dos sem-terra, dois supostos proprietários procuraram a polícia. O advogado Pedro Camacho registrou boletim alegando invasão e furto de arame. Mas Luiz Carlos Volponi afirma ser ele o dono da área e que Camacho é um arrendatário que se nega a sair da terra.Além de cercar a área ocupada, os sem-terra preparavam na sexta o solo para o plantio de culturas de subsistência. O grupo se autodenomina "Margarida Maria Alves", em homenagem à militante paraibana morta em 1983 em confronto pela posse de terras.Procedentes de acampamentos Presidente Alves, na região de Bauru, o grupo se instalou no município em 2004, e permanece acampado na margem de uma estrada, a um quilômetro da propriedade agora invadida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.