Família de paciente visitado por Maluf reage contra a imprensa

A família do motorista José Matias da Silva, que morreu ontem, um dia após ser visitado na UTI pelo candidato do PP à Prefeitura de São Paulo, Paulo Maluf, diz que não falará nada sobre o assunto. Pela manhã, os filhos do motorista expulsaram a imprensa do velório do mesmo e ameaçaram usar a força caso houvesse insistência. "Não falaremos mais nada. Agora está tudo com o advogado", disse um filho de José Matias, que não quis se identificar. "Vou chamar a segurança se vocês insistirem", falou ele enquanto um rapaz que parecia ser segurança particular se aproximou do local. "O morto não tem mais nada o que responder", disse o filho.José Matias da Silva estava internado na Unidade de Terapia Intensiva no Hospital Voluntários da Pátria, na zona norte de São Paulo. O motorista tinha 46 anos e levou um tiro na noite de domingo. Na quinta-feira, José Matias foi personagem central da visita de Paulo Maluf ao hospital. O motorista morreu na sexta-feira vítima de infecção generalizada. Ele foi velado e seu enterro está marcado para as 13 horas no Cemitério Parque do Jaraguá, que é particular.O serviço funerário disse à reportagem do Estado que recebeu ordem da família para não revelar quem pagou o sepultamento. O jazigo no cemitério do Jaraguá não sai por menos de R$ 9.500,00 e o sepultamento custa em média R$ 850,00. No velório do motorista estavam apenas poucos familiares e amigos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.