Família de jornalista em SP assassinado terá proteção policial

Luiz Carlos Barbon Filho foi morto em Porto Ferreira em 2007 e viúva estava sendo ameaçadas por assassinos

Luís Henrique Trovo, de O Estado de S. Paulo,

14 de janeiro de 2009 | 17h48

Atendendo ao pedido da Anistia Internacional, a Justiça do Estado de São Paulo incluiu a esposa e os filhos do jornalista Luiz Carlos Barbon Filho, assassinado em maio do ano passado em Porto Ferreira (SP), no Programa de Proteção à Testemunha. A família foi retirada da cidade de Araraquara no início desta semana, sob proteção da Polícia Federal. Kátia sofria ameaças dos possíveis assassinos do jornalista. Ninguém sabe o paradeiro dela e dos filhos, inclusive os familiares mais próximos, que eram informados do perigo que a viúva estava correndo. Segundo os familiares, ela recebia ameaças por telefone, sofreu tentativa de atropelamento e era perseguida ao sair de casa. Barbon Filho foi morto a tiros no dia 5 de maio de 2007 em um bar no centro de Porto Ferreira. O jornalista acompanhava os casos policiais da cidade e fazia denúncias de abusos de autoridade em seu jornal. Ele também chegou a fazer denúncias contra policiais militares à Corregedoria da PM. De acordo com o promotor Gaspar Pereira Silva Júnior, do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaerco), de Campinas (SP), quatro policiais militares e um comerciante estariam envolvidos no crime. A acusação é com base em depoimentos de testemunhas, laudos periciais e escutas telefônicas autorizadas pela Justiça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.