Família culpa o Exército pela morte de sargento na fronteira com a Colômbia

O corpo do sargento do Exército Manuel de Jesus Alencar, morto durante operação na fronteira com a Colômbia, ainda não foi liberado para a família, que mora no Piauí. Ele desapareceu na última quinta-feira enquanto fazia patrulha pelo rio Negro e foi encontrado por pescadores dois dias depois no mesmo rio. A família do militar, que responsabiliza o Exército pela morte, está apreensiva porque não tem recebido notícia.A irmã do sargento, Maria do Perpétuo Socorro Alencar Cardoso, disse que só tem informações sobre o irmão pela imprensa. Ela afirmou que a única informação que teve do Exército foi que a missão do sargento era matar ou morrer. Ela disse que a família nunca soube que Alencar estava participando da missão na fronteira com a Colômbia. A previsão é que o corpo chegue nesta terça-feira em Teresina e deve ser velado em São Pedro do Piauí (a 107 km ao sul de Teresina).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.