Falta de recursos não foi causa do acidente de Alcântara, diz Viegas

O ministro da Defesa, José Viegas, acha que "não é justo dizer que as falhas que levaram ao acidente na Base de Lançamento de Satélites de Alcântara, no Maranhão, se devam à ausência de recursos". Segundo ele, "é precipitado dizer que os recursos eram insuficientes". Ele não precisou qual seria o valor ideal para que o projeto se desenvolvesse e tampouco quando será necessário para restabelecer o programa espacial brasileiro. Viegas informou que duas investigações estão sendo realizadas: um inquérito policial-militar, com prazo de 40 dias para ser concluído, que investigará as responsabilidades no acidente, e uma investigação conduzida por uma comissão de técnicos do Centro Tecnológico da Aeronáutica, de São José dos Campos, e do Centro de Lançamento de Alcântara, que vai avaliar a causa técnica do acidente.Segundo o ministro, na hora do acidente estava sendo realizada uma operação de rotina. Não se tratava de uma operação de risco. Ele informou, também, de que não há indícios de sabotagem, embora ressalvasse que todas as possíveis causas estão sendo investigadas. Apesar de achar que é cedo para falar em causas do acidente, o ministro relatou que a informação preliminar que se tem é de que houve uma ignição que levou à explosão do combustível e que a possibilidade maior é que uma descarga elétrica tenha provocado o desastre. Ele disse, também, não acreditar que o acidente possa vir a atrasar negociações com outros países, como por exemplo o acordo com a Ucrânia para utilização comum da base de lançamentos. Admitiu, no entanto, que é inevitável um atraso no programa espacial brasileiro, mas assegurou que o programa vai prosseguir.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.