Falta de recursos irrita Ministro dos Transportes

O ministro dos Transportes, Anderson Adauto, nãoconseguiu da equipe econômica a liberação dos recursos orçamentários que pretendia para os programas de manutenção de estradas e deixou o ministério da Fazenda visivelmente irritado, no fim da tarde desta quarta-feira.Segundo ele, os valores de descontigenciamento oferecidos pelos ministros da Fazenda, Antônio Palocci, e do Planejamento, Guido Mantega, não ?batem? com o valor pretendido pelo ministério dos Transportes. O ministério pede R$ 1,1 bilhão, mas na área econômica fala-se em liberar apenas R$ 600 milhões.Adauto recusou-se a dizer quanto havia pedido e quanto foi oferecido pelos ministosPalocci e Mantega. Ao deixar a Fazenda, o ministro dos Transportes informou que teriaum encontro com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda na noite desta quarta-feira.Com Lula, ele provavelmente tentaria fazer com que a equipe econômica libere o volume derecursos que pretende. ?O presidente tem primazia sobre vocês da imprensa, não vou falar mais nada?, disse o ministro, bastante irritado.O dinheiro sairá da parcela do orçamento de custeio e investimentos que foi bloqueadano início do ano. O desbloqueio será feito por determinação do presidente da República,que quer ver ?resultados concretos? nas rodovias brasileiras até setembro.O Orçamento da União prevê que, neste ano, o Ministério dos Transportes tenha R$ 3,939 bilhões para seus gastos com investimento e custeio da máquina administrativa. Desse total, R$ 2,540 bilhões foram bloqueados, restando a Adauto uma verba total de R$ 1,399 bilhão.?Não estou falando nem da construção de novas rodovias, mas de cuidar do que já tem,que está cheio de buracos e sem condições de tráfego?, disse Adauto ao chegar para areunião. ?E o presidente da República determinou que até o mês de setembro ele querresultados concretos, ou seja, ele quer que a sociedade perceba que houve aintervenção de fato do ministério dos Transportes nas estradas.?O programa prevê a recuperação de mais de 7 mil quilômetros de rodovias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.