Falta de chuvas deve piorar seca no Nordeste

A seca que atinge principalmente o Piauí pode se estender para todos os Estados do Nordeste até outubro. Segundo previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a situação na região deve se tornar crítica nos próximos meses, quando começam os efeitos mais diretos do fenômeno El Niño, que, apesar de estar com uma intensidade entre baixa e moderada, vai causar sérios transtornos. No Piauí 194 municípios decretaram estado de emergência. Também há problemas no Ceará, Paraíba e Pernambuco. "Se não chover até outubro no Piauí, a situação ficará crítica", confirma o chefe da Divisão de Meteorologia Aplicada do Inmet, Expedito Rebello. "A previsão é de que a chuva só venha em janeiro." Segundo ele, os efeitos da seca se estenderão a quase todos os Estados do Nordeste a partir do fim de setembro. "A tendência é o quadro se agravar." No Ceará, o açude de Orós, um dos maiores do País e responsável pelo abastecimento de diversos municípios, está com apenas 25% de sua capacidade, que é de 2,1 bilhões de metros cúbicos de água. Mas o problema mais sério está no Piauí, onde 194 dos 292 municípios estão em emergência por causa da estiagem. "A situação já é dramática e exige providências imediatas do governo federal", afirmou o secretário nacional de Defesa Civil, coronel José Wilson Pereira, que esteve no Estado e na Paraíba. Ele prepara um relatório para ser entregue ao presidente Fernando Henrique Cardoso. Deve sugerir a adoção imediata das bolsas-renda e distribuição água por carros-pipa. Uma das preocupações é que isso seja usado eleitoralmente por candidatos locais. Os técnicos do Inmet ainda não podem prever se a seca deste ano terá a mesma intensidade que em 1999, quando o governo federal precisou distribuir cestas básicas, abrir frentes de trabalho, promover o abastecimento de água com carros-pipa, além de liberar recursos de emergência para a região. "Tudo vai depender da intensidade do El Niño, que começa a se intensificar no fim do ano", afirma Rebello. Sertão - Na Paraíba, principalmente na região do Cariri, no alto sertão, 18 municípios estão em estado de emergência. Não há água para consumo, nem mesmo para os animais, e as plantações estão se perdendo. A previsão do governo local é de que, até o final do mês, outros 40 municípios entrem com pedido de ajuda urgente no Ministério da Integração Nacional por causa do estado de emergência. Na seca de 99, quase todas as cidades paraibanas decretaram calamidade pública. Em Pernambuco, a situação também está se tornando grave na área conhecida como sequeiros - onde não há forma de irrigação -, justamente no local onde integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) iniciaram uma onda de saques a caminhões, há três anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.