Falta credibilidade ao PSDB na área social, diz Dilma

A candidata do PT à sucessão presidencial, Dilma Rousseff, disse hoje, em campanha na cidade de São José do Rio Preto (SP), que os governos do PSDB não têm credibilidade para propor programas sociais e que há uma desconfiança a respeito de seus adversários em cumprir metas nessa área. "Faça o que fizerem, a desconfiança a respeito dos governos do PSDB de cumprir programas sociais permanece", afirmou a petista. "Não por causa das palavras, mas por atos e fatos que eles produziram ao longo dos governos."

GUSTAVO PORTO, Agência Estado

08 Julho 2010 | 12h13

Dilma voltou a criticar compromisso assinado pelo seu adversário na disputa eleitoral, José Serra (PSDB), que garante a manutenção de programas sociais do governo Luiz Inácio Lula da Silva, como o Bolsa Família. Serra pretende entregar aos eleitores carta em que promete manter os benefícios.

Dilma afirmou ainda que, quando Serra foi prefeito de São Paulo, não fez um cadastro como deveria para implantação de um programa semelhante, referindo-se ao Renda Cidadã. "Se quando estava no governo não fez o que prometeu, não pode, de maneira alguma, ter credibilidade para dizer que vai dobrar (o Bolsa Família)."

De acordo com Dilma, a questão não é dobrar o valor do Bolsa Família, mas manter um programa que impede que os beneficiados vivam em situações de privação. "Não é possível que os programas sociais tenham marcas eleitorais. Tanto que começamos a implantar o Bolsa Família quando o País se recuperava de uma crise, da qual recebemos em 2002", explicou a ex-ministra, numa crítica indireta ao governo tucano de Fernando Henrique Cardoso.

Mesmo lançando críticas contra os adversários, Dilma disse que não fará uma campanha de baixo nível e afirmou que manterá o padrão do debate com os seus concorrentes. "Eu tenho propostas, um conjunto de realizações a apresentar. Não tenho motivo para aceitar um debate em nível menor", disse a candidata.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.