Falta consenso para votar redução dos custos de campanha

Terminou sem acordo a reunião do presidente da Câmara, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) com os líderes dos partidos para tentar iniciar ainda hoje a votação do projeto que reduz os custos as campanhas eleitorais. Os líderes rejeitaram a proposta apresentada pelo relator, deputado Moreira Franco (PMDB-RJ), por considerá-lo muito amplo. Com isso, os líderes voltarão a se reunir na próxima terça-feira para tentar votar o projeto.Vários líderes argumentaram que a proposta deverá se limitar a custos de campanha, como a proibição dos chamados "showmícios" e da distribuição de brindes a eleitores, sem entrar em questões que tratam de processo eleitoral, como o aumento das multas e penas para candidatos nos casos de descumprimento da legislação. "Se fechar só em gastos de campanha, o projeto anda rápido. Não podemos é ficar na ´judicialização´ da campanha", afirmou o deputado Ronaldo Caiado (PFL-GO).Segundo Caiado, as mudanças para a eleição deste ano deverão se restringir ao corte nos gastos de campanha e ao fim da verticalização, a regra que proíbe nos Estados e municípios coligações partidárias que contrariem as alianças político-partidárias feitas no plano nacional. O projeto que acaba com verticalização deverá ser votado em segundo turno, na Câmara, na próxima quarta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.