Falta bom senso no Congresso, critica Piva

A retirada do caráter deurgência do projeto de reajuste da tabela do Imposto de Renda no Congresso, nesta quinta-feira, foi considerada "uma absolutafalta de bom senso" pelo presidente da Fiesp, Horácio Lafer Piva. Para ele, o justo seria haver um reajuste, já que a tabelainterfere diretamente com a distribuição de renda da população."O pouco que os trabalhadores ganhariam já seria suficiente para alavancar toda a cadeia da economia produtiva, pois ospais podem investir mais na educação dos filhos, a família teria uma verba extra para utilizar no lazer, e os pequenosnegociantes contariam com um incremento no capital de giro", afirmou Piva.O presidente da Fiesp disse ainda ser justa a paralisação prevista para a próxima segunda-feira de 70 mil metalúrgicos em40 empresas de São Paulo, Osasco, Guarulhos, Santo André e São Caetano do Sul, em forma de protesto contra amanutenção da tabela do IR."É um direito deles, mas não sei se terá resultado prático. O melhor seria pressionar oCongresso ou conversar com o Executivo."A tabela atual isenta os trabalhadores que ganham até R$ 900,00 por mês dopagamento do IR. Mas, segundo os sindicatos, o profissional que recebia esta quantia há cinco anos, hoje tem um saláriode R$ 1.027,00, ou seja, deverá ser descontado. Os representantes dos metalúrgicos querem que a isenção do pagamento do IR atinja trabalhadores cuja renda mensal éde até R$ 1.155,00.Para eles, o correto seria que os profissionais que ganhem deste valor a R$ 2.311,00 tenham descontode 15% - atualmente, esta variação é retirada de quem recebe de R$ 900,01 a R$ 1.800,00. Eles também defendem que apenas os profissionais que ganhem acima de R$ 2.311,00 sejam descontados em 27,5% enão acima de R$ 1.800,00 como é feito hoje.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.