Falha técnica teria causado apagão no painel da Câmara

Uma falha técnica teria causado o travamento do painel eletrônico da Câmara, na quarta-feira, durante a votação do projeto que muda o artigo 618 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e permite que convenções e acordos coletivos prevaleçam sobre a lei. Essa foi a conclusão inicial dos três peritos da Unicamp que ontem deram início à auditoria no painel e foi dita durante uma reunião com diretores da Câmara e funcionários da Montreal, a empresa que cuida do computador. A falha teria ocorrido logo depois que o painel foi aberto para a primeira votação, naquarta. Cerca de 20 parlamentares haviam registrado a sua presença, quando, por causade uma questão de ordem do deputado Professor Luizinho (PT-SP), o painel foi zerado.O sistema registrou a abertura do painel como se fosse a sessão 249 e pulou para onúmero seguinte, a 250. Como o painel ficara aberto por poucos minutos, técnicos daCâmara recuaram o número para a sessão 249. Assim, evitariam uma falha na seqüênciade sessões. Acontece que o computador central do painel tem um sistema de segurança destinadoa impedir a superposição de dados. Registradas duas sessões 249, o erro começou aser avisado. Quando o presidente da Câmara, Aécio Neves (PSDB-MG), acionou obotão que mostraria o resultado da votação, o computador travou. Aécio esperou porcerca de 10 minutos, mas o resultado não apareceu. Decidiu então fazer a votaçãonominal, como pedia a oposição. Para não se exporem frente às câmaras de televisão no momento em que anunciavamo voto ? e, assim, fornecerem imagem para as campanhas eleitorais de seusadversários -, os parlamentares da bancada governista se retiraram. A votação teve deser suspensa por falta de quorum. Aécio Neves quer retomá-la na terça-feira.A equipe de técnicos da Unicamp não garante terminar a perícia no painel até terça.Eles que primeiro farão uma cópia de todo o disco rígido do computador do painel. Apartir daí ? com o disco preservado -, começarão a copiar todos os registros feitos, atémesmo as votações e, certamente, a votação cujo resultado não chegou a ser divulgado.Aécio Neves promete que vai tornar pública a lista de votantes e o voto. Entre os deputados de oposição começa a surgir o temor de que a lista seja utilizadapoliticamente. Por exemplo: se apontar para a vitória do governo ? e tudo indica querealmente o projeto seria aprovado ? e for divulgada na terça-feira à tarde, dará umagrande ajuda ao Palácio do Planalto. Bastaria aos parlamentares a repetição dos votos. Eaqueles da base aliada que estavam rebelados poderiam recuar, para não sedesgastarem por nada. Os três técnicos da Unicamp que estão fazendo a vistoria no painel da Câmara sãoJosé Raimundo de Oliveira, Paulo Lício de Geus e Álvaro Crosta, este último da equipeque vasculhou a descobriu as falhas do painel do Senado. Desta vez, os técnicos daUnicamp exigiram trabalhar sozinhos. Evitam, assim, que se repita na Câmara o queocorreu no Senado, em que muita gente perambulava nas proximidades do computadorcentral e examinava seus chips.Essa exigência causou problemas com os partidos de oposição. Eles haviam exigidoque técnicos próprios pudessem servir de assistentes aos especialistas da Unicamp. Odo PDT, Amilcar Brunaro Filho, foi deslocado às pressas de São Paulo para Brasília.Não conseguiu nem participar da reunião dos técnicos da Unicamp e da Câmara com odiretor-geral. Depois, os representantes dos partidos foram impedidos de entrar no localda auditoria. Disseram que vão reclamar da discriminação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.