Falha de material pode ter causado acidente, diz ex-diretor

O acidente na base de Alcântara pode ter sido provocado por falha de material, em conseqüência do longo tempo de desenvolvimento do projeto, segundo avalia o ministro do Superior Tribunal Militar (STM), Sérgio Xavier Ferolla. Ele admitiu que "é difícil especular" sobre a causa do acidente, que considera "meio ilógico". Ferolla, que foi diretor do Centro de Tecnologia da Aeronáutica no início da década de 90, disse que "pela lógica, o acidente não podia acontecer. O projeto começou a se alongar no tempo pela falta de recursos e, assim, podem ocorrer coisas imprevisíveis, como falhas de componentes, mas é difícil especular agora". Ele lembrou que a previsão inicial era que o projeto de Alcântara estivesse concluído há 10 anos. Ele acredita que o projeto poderá voltar à fase na qual estava na semana passada, antes do acidente, em um ou dois anos, "desde que tenha recursos". Mas ele não soube estimar os recursos necessários. "Mesmo com a perda dos técnicos é possível retomar o projeto, desde que existam os recursos", disse. Segundo ele, os técnicos mortos no acidente farão falta ao projeto, mas é possível que ele seja retomado. Ferolla disse ainda que a possível falha de material que teria levado ao acidente, na sua avaliação, pode ter sido provocada também pela dificuldade de acesso do Brasil à importação de componentes de outros países para o projeto aeroespacial. "Tudo tem de ser fabricado aqui, eles (os estrangeiros) não nos vendem por várias razões, mas a principal é a comercial", afirmou. Ferolla participa de seminário sobre álcool na sede do BNDES, no Rio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.