'Falei pra minha mulher que ia ser laranja'

'Sócio' de empresa que faturou R$ 3 milhões, jardineiro conta que receberia R$ 500 por mês

Leandro Colon / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

04 Dezembro 2010 | 18h11

"A empresa está no meu nome, mas não faço nada", diz Moisés

 

O jardineiro Moisés da Silva Morais é um dos dois "sócios" da RC Assessoria e Marketing, empresa que já faturou R$ 3 milhões com eventos pagos pelos Ministérios do Turismo e da Cultura. A RC é subcontratada pelos institutos fantasmas. É Moisés quem assina os contratos de prestação de serviço anexados às prestações de contas que os institutos entregam ao governo federal.

 

Moisés foi pego de surpresa pela reportagem do Estado em sua casa, numa rua de terra batida na cidade de Águas Lindas (GO). Na conversa, admitiu que virou laranja de Carlos Henrique Pina, de 24 anos, um jovem aspirante a promotor de festas em Brasília. Em troca, Pina teria prometido R$ 500 mensais. Moisés só não sabia que havia dinheiro público no esquema.

 

"Eu sou laranja", admitiu. "Eu falei pra minha mulher que eu ia ser laranja, mas ele falou que ia me dar tanto. E o tanto de dinheiro que ele ganhou no meu nome?" A seguir, trechos da entrevista do jardineiro ao Estado.

 

Por que vários institutos contratam a RC?

A empresa está só no meu nome, mas não sei de nada.

 

Como é que o senhor virou sócio dela?

A empresa está no meu nome mas não faço nada. Ele (Henrique Pina) faz toda a movimentação. Eu trabalho com o pai dele, Carlos Pina. Trabalho de jardineiro. Sabe o que ele (Henrique) prometeu? Que se eu abrisse a empresa, ele me daria R$ 500 todo mês. E eu perguntei se isso não era roubado, não era sujeira. Porque o pai dele é sério.

 

A empresa já faturou uns R$ 3 milhões...

Já? Está falando sério?

 

Com o seu nome nos contratos...

Sim, virei laranja... Eu falei pra minha mulher que eu ia ser laranja, mas ele falou que ia me dar tanto. E o tanto de dinheiro que ele ganhou no meu nome?

 

Mas por que você assina as prestações de contas?

Eu não sou bom de leitura, ele traz os papéis e eu assino.

 

Além de você, aparece um outro nome na empresa, José Samuel Bezerra. Conhece?

Não, nem sabia que tinha sócio. Quer dizer que tem mais gente nisso?

 

Ou seja, você virou um empresário....

Ele só me falou que ia mexer com marketing.

Mais conteúdo sobre:
Gim Argello corrupção fraude Orçamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.