Alex Falcão/Futura Press
Alex Falcão/Futura Press

Falcão nega 'intranquilidade' no PT com depoimento de Vaccari

Vaccari ligou para integrantes da cúpula partidária logo depois de deixar a superintendência da PF em São Paulo com objetivo de tranquilizar o partido; ele teria afirmado que não deixou pergunta sem resposta

Ricardo Galhardo, enviado especial, O Estado de S. Paulo

05 Fevereiro 2015 | 17h01

Belo Horizonte -  O presidente nacional do PT, Rui Falcão, disse na tarde desta quinta-feira, 5, em Belo Horizonte, que a nona fase da Operação Lava Jato não traz intranquilidade ao partido. O dirigente saiu em defesa do tesoureiro petista, João Vaccari Neto, que prestou depoimento na parte da manhã. 

"Não existe nenhuma intranquilidade. Tudo será desmentido", disse Falcão. Indagado sobre quem faria o desmentido, o dirigente respondeu: "pelos fatos".

Segundo fontes do PT, Vaccari ligou para integrantes da cúpula partidária logo depois de deixar a superintendência da Polícia Federal em São Paulo com objetivo de tranquilizar o partido. Ele teria dito que não deixou nenhuma pergunta dos investigadores sem resposta. 

Apesar do constrangimento na véspera do aniversário de 35 anos da legenda, dirigentes tentaram minimizar o depoimento do ex-gerente de Serviços da Petrobrás, Pedro Barusco, que disse em delação premiada que o PT recebeu até US$ 200 milhões e m propinas do esquema da Petrobrás.

"Estas acusações que estão lá já eram conhecidas. Não existe nenhuma novidade", afirmou o secretário de Organização do PT. Florisvaldo Souza.

Vaccari confirmou presença na comemoração de 35 anos do PT, amanhã, em Belo Horizonte.

Mais conteúdo sobre:
Operação Lava Jato PT Rui Falcao

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.