Falcão diz que vitórias do PT enfraquecem oposição

O presidente nacional do PT, Rui Falcão, avaliou neste domingo que a possível vitória do partido em São Paulo, com a eleição do ex-ministro Fernando Haddad, e o crescimento do partido no primeiro turno das eleições municipais "enfraquecem a oposição, especialmente a parlamentar". Falcão afirmou ainda que o PSDB é o grande derrotado nas eleições paulistas, que o partido encolheu em relação à representatividade nos municípios e que, além do PT, apenas o PSB e o PSol cresceram neste ano.

GUSTAVO PORTO, Agência Estado

28 de outubro de 2012 | 11h40

Segundo Falcão, no primeiro turno das eleições o PT recebeu 17,2 milhões de votos no País, ampliou em 12% o número de prefeitos eleitos e em 24% o número de vereadores e vai participar no governo de mais de mil municípios.

O presidente do PT diz que o partido precisa iniciar, já no segundo semestre de 2013, o debate para as eleições estaduais e federal em 2014. "Temos de avaliar quais são os companheiros com maior potencial, mesmo porque há ministros que podem ser candidatos, e temos que discutir com o governo, também, para fazer a substituição no tempo certo", disse.

Perguntado se o partido deveria escolher um novo nome para concorrer ao governo de São Paulo, como ocorreu com Dilma Rousseff para a presidência e Fernando Haddad para a prefeitura, Falcão disse que a criação de novas lideranças é boa para qualquer partido, mas que é difícil afirmar se isso é uma tendência para as próximas eleições.

"É bom lembrar que o Haddad ganhou com a qualidade dele", afirmou, confiante na vitória do petista no segundo turno da eleição paulistana a ser decidida hoje. "Foi uma disputa difícil porque foi uma candidatura nova, existe um candidato que tem um forte recall (José Serra, do PSDB) e surgiram surpresas, como o Celso Russomanno", completou o presidente Nacional do PT.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012PTRui Falcão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.