EVARISTO SA|AFP
EVARISTO SA|AFP

Falcão agora diz que petistas nunca propuseram 'fora, Levy'

Presidente do partido recua em relação aos ataques ao ministro da Fazenda após Lula pedir para sigla amenizar criticas

Ana Fernandes, O Estado de S. Paulo

05 Novembro 2015 | 19h29

São Paulo - O presidente nacional do PT, Rui Falcão, afirma não considerar que o partido baixou o tom de críticas ao ministro da Fazenda, Joaquim Levy, pois em sua visão petistas nunca propuseram o "Fora, Levy". "Na resolução do diretório nacional, se você observar bem, é que a gente continua sustentando a ideia de que são necessárias algumas mudanças na política econômica", disse.

O próprio Falcão deu uma entrevista em 18 de outubro que foi interpretada como um pedido pela saída do ministro do cargo. À Folha de S. Paulo, Falcão disse que a retomada do crescimento do País dependia de mudanças no rumo da política econômica e que Levy deveria deixar o cargo se não concordasse com isso. 

Após o ex-presidente Lula ter feito um discurso voltando atrás nas críticas a Levy, no último dia 29, no entanto, porta-vozes do partido deram uma trégua no bombardeio contra o ministro. "Tem gente que fala 'Fora, Levy' com a mesma facilidade que gritava 'Fora, FMI', e não é a mesma coisa. O programa de ajuste já estava feito antes do Levy", disse Lula no discurso em reunião do diretório nacional do PT, em Brasília.

Falcão diz que o partido continua a sustentar a necessidade de mudanças, mas defendeu que há medidas que precisam ser aprovadas, como a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que prorroga a Desvinculação de Receitas da União (DRU); a recriação da CPMF e o projeto de lei da repatriação e regularização de ativos brasileiros enviados e mantidos ilegalmente no exterior - três pontos considerados fundamentais no plano de ajuste fiscal coordenado por Joaquim Levy.

Sobre a repatriação, que não foi votada nesta quarta, em uma segunda derrota do governo em tentar passar a proposta, Falcão disse estar confiante de que vai ser aprovada na semana que vem. "A repatriação foi um acordo, eu falei com o (José) Guimarães (líder no governo na Câmara). Para ter uma votação mais tranquila, deixaram para semana que vem."

Cunha. Rui Falcão evitou falar sobre o processo contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), no Conselho de Ética da Casa. Ele repetiu que o PT esperará o relatório a ser apresentado por Fausto Pinato (PRB-SP) para que os três integrantes e dois suplentes do partido no conselho tomem então uma posição unitária. "Não vamos antecipar nosso posicionamento, já disse isso. Quando for a hora, vamos nos posicionar de forma unitária. E quem tem acordo com ele é a oposição", reforçou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.