Falcão acusa manipulação de laudos e diz que prisão é inadequada para Genoino

Presidente do PT acusou laudos médicos de serem manipulados e defendeu que petista, preso por envolvimento no mensalão, cumpra pena em regime domiciliar

Carla Araújo - Agência Estado

29 de novembro de 2013 | 11h17

São Paulo - O presidente nacional do PT, Rui Falcão, afirmou nesta sexta-feira, 29, que os laudos médicos sobre José Genoino foram manipulados e que seu correligionário, preso por envolvimento no mensalão, merece cuidados especiais.  "Ele precisa fazer um controle da pressão, de coagulação sanguínea e ter um regime alimentar especial. Como pode diante desse laudo concluir que ele não necessita de prisão domiciliar? É nesse sentido que há uma manipulação", afirmou.Falcão defendeu ainda a aposentadoria do ex-presidente do PT.  "Por todas as razões médicas e humanitárias ele deveria ter direito não só a prisão domiciliar como a aposentadoria", completou. Em nota divulgada nesta quinta-feira, a defesa do deputado licenciado José Genoino (PT-SP) diz que recebeu com "perplexidade e indignação" a rejeição de junta médica da Câmara ao pedido de aposentadoria por invalidez feita pelo petista.

Composta por quatro servidores da Casa, a junta médica informou que Genoino não é portador de cardiopatia grave. O grupo, no entanto, pediu um prazo de mais 90 dias para dar um laudo definitivo sobre o pedido de aposentadoria por invalidez feito pelo deputado em setembro. A defesa do petista tenta reverter o cumprimento da pena em regime semiaberto para regime domiciliar. A decisão complica a situação do deputado que pode ter um pedido de cassação iniciado na próxima terça-feira quando a Mesa Diretora da Câmara se reúne para discutir o assunto.

Privilégios. Sobre a determinação da Justiça do Distrito Federal para que os condenados do mensalão recebam, no presídio da Papuda, o mesmo tratamento dado aos demais presos, Falcão disse que "não comenta decisão da Justiça". O petista disse que não constatou privilégios na visita que fez aos companheiros na prisão. "Tinha uma sala modesta na qual eles podiam receber as pessoas. Imagino que outros presos em situação semelhante têm os mesmos direitos", disse.

Questionado se algo está faltando aos companheiros presos, Rui disse que não fez essa pergunta a eles. "Falta liberdade! Ninguém na prisão tem a mesma situação que tem em casa", disse.

O presidente do PT evitou comentar a situação do ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, que mesmo condenado e preso, conseguiu um emprego em um hotel de Brasília, com um salário de R$ 20 mil. "Ele tem um contrato de trabalho. O empregador propôs aquele trabalho. É uma relação privada entre empregado e empregador."

Tudo o que sabemos sobre:
MensalãoGenoinoRui Falcão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.