Câmara dos Deputados
Câmara dos Deputados

'Falar em impeachment é desserviço para o Brasil neste momento', diz líder do DEM na Câmara

Efraim Filho disse que Bolsonaro tem ficado 'com raiva' porque não consegue andar com suas medidas no Congresso

Thaís Barcellos e Pedro Caramuru, O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2020 | 11h16

O líder do Democratas na Câmara dos Deputados, Efraim Filho (PB), afirmou, em live organizada pela Necton Investimentos, que “falar em intervenção por um lado, e impeachment, por outro, é um desserviço para o Brasil neste momento”. O deputado fez a afirmação em referência aos conflitos entre os Poderes, especialmente após a participação do presidente Jair Bolsonaro em manifestação antidemocrática neste domingo (19), em momento em que é recomendado o distanciamento social.

Efraim Filho disse que Bolsonaro tem ficado “com raiva” porque não consegue andar com suas medidas no Congresso, como o fim do isolamento social, e reconheceu que foi errado à ida à manifestação. “Coronavírus parecia ser inimigo ideal para unir o Brasil, mas não conseguimos.”

O líder do DEM defendeu que a saída deve ser pelo diálogo, não pelo enfrentamento. “Precisamos de um freio de arrumação, de ter sensatez e serenidade, e focar na solução, e não nas diferenças”, afirmou. “Estou defendendo a altivez com o diálogo, sou uma voz minoritária, tem gente que está defendendo altivez com confronto. Se for um conflito aberto, teremos situação ainda pior.”

O deputado sugeriu que o Supremo Tribunal Federal (STF), como poder mais equidistante, segundo ele, poderia liderar essa iniciativa de “chamar” e pedir para deixar as diferenças de lado e focar na solução. “Fica claro, ou escancarado, que se quer uma crise política para se encobrir a crise econômica e de saúde que está instalada.”

Em relação ao Congresso, o deputado disse que não há por parte esse clima de gastança desenfreada. “Vou trabalhar e lutar para que o Brasil consiga se entender. É hora de todos por um.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.