Carlos Moura/STF
Carlos Moura/STF

Marco Aurélio: 'Fala de Bolsonaro sobre descartar 'xiita ambiental' na PGR é 'retórica'

Ministro do STF afirmou que atual procuradora-geral da República, Raquel Dodge, tem seu “aplauso” pela atuação nos últimos dois anos e observou que Augusto Aras, considerado favorito para o cargo, 'ainda não foi testado'

Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2019 | 15h37

BRASÍLIA - O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), considerou nesta terça-feira, 6, um “arroubo de retórica” a fala do presidente Jair Bolsonaro, que, em entrevista exclusiva ao Estado, disse que não pretende indicar um “xiita” da questão ambiental nem das minorias para a chefia da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Marco Aurélio também elogiou a atuação da atual procuradora-geral da República, Raquel Dodge, à frente do órgão nos últimos dois anos, e afirmou que ela merece “seu aplauso” pelo trabalho desempenhado até aqui.

“É um arroubo de retórica, né. Faz parte do contexto atual do Brasil o arroubo de retórica”, disse Marco Aurélio, ao ser indagado sobre a declaração de Bolsonaro. “Cabe ao presidente definir a escolha dele, e ele não está preso a qualquer lista (a Constituição não obriga Bolsonaro a escolher obrigatoriamente para a PGR um dos nomes da lista tríplice elaborada pela Associação Nacional dos Procuradores da República após votação interna).”

O mandato de Raquel Dodge, que tenta sua recondução por mais dois anos, termina em setembro e Bolsonaro já disse que fará a escolha até a semana que vem. Em entrevista ao Estado, Bolsonaro disse que quer um chefe da PGR que "queira ajudar o Brasil com suas ações" e não "um cara que fique lá só preocupado de forma xiita com questão ambiental ou de minoria". 

Quando assumiu o cargo, em 2017, Raquel colocou a defesa do meio ambiente e dos direitos humanos como suas prioridades. Indagado pelo Estadão/Broadcast se Raquel Dodge seria um bom nome para seguir à frente da PGR, Marco Aurélio respondeu:  “Sem dúvida alguma. Ela tem meu aplauso pelo cumprimento desses dois anos. Dizem que ela tem fortes trunfos e fortes apoios.”

Na avaliação de Marco Aurélio, Raquel Dodge desempenhou um importante papel de “saneamento” da instituição, “ajeitando a parte administrativa, o funcionamento e a atividade” dos procuradores.

Raquel Dodge foi aluna de Marco Aurélio na Universidade de Brasília (UnB) e assessora do ministro quando ele ocupava uma cadeira no Tribunal Superior Trabalho (TST). A procuradora não entrou na disputa para integrar a lista tríplice neste ano, mas já se colocou à disposição do presidente para ser reconduzida ao cargo por mais dois anos.

Apoio. Parte dos ministros do Supremo faz campanha nos bastidores para influenciar o presidente Jair Bolsonaro a dar um segundo mandato para Raquel. Ao mesmo tempo, o presidente tem intensificado o contato com o subprocurador-geral Augusto Aras, que despontou como um dos cotados para o cargo.

Raquel encerra seu mandato no dia 17 de setembro e é descrita por apoiadores no Supremo e no Congresso como o melhor nome para dar estabilidade institucional, enquanto Aras ganhou pontos com Bolsonaro ao demonstrar alinhamento com a pauta de reformas do governo.

Além do apoio do presidente da Corte, Dias Toffoli, Raquel recebeu uma defesa enfática do vice, Luiz Fux, em audiência na quarta-feira passada. Fux será o próximo presidente do tribunal. Dois dias depois, Aras teve o terceiro encontro no Palácio da Alvorada com Bolsonaro.

Questionado sobre Aras, Marco Aurélio respondeu: “Não sei. Vamos aguardar (a decisão do presidente), ele (Aras) ainda não foi testado aqui (no STF).”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.