Faixas para posse de Lula causam polêmica em Brasília

Às vésperas da posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, os motoristas e pedestres de Brasília foram surpreendidos nesta quinta-feira por faixas colocadas em ruas e avenidas de Brasília com uma frase de duplo sentido que provocou protestos da oposição e levou a coordenação do evento a determinar a retirada das mensagens. "Lula presidente, tome posse do Brasil" eram os dizeres das faixas. "É o retrato falado do que Lula e o PT pensam, que adquiriram o direito de se apropriar de uma Nação. A grande vantagem é que o Brasil tem na sua gente a sua maior riqueza e nossa gente não aceita nenhum tipo de servidão", disse o líder da minoria (oposição) na Câmara, deputado José Carlos Aleluia (PFL-BA). Para ele, a faixa do PT mostra a visão chavista do partido e do presidente. O senador Heráclito Fortes (PFL-PI) deu outra interpretação para a locução petista: "Até o PT está pedindo para o Lula trabalhar". José Zunga Alves de Lima, um dos coordenadores da festa popular da posse, reconheceu que as faixas permitiam uma dupla interpretação. Ele disse que isso ocorreu por um erro de layout. "A idéia era convidar o cidadão para a posse, para tomar conta do Brasil", afirmou. "Mas, como a faixa permitia dupla interpretação, foi retirada", anunciou. Em entrevista concedida nesta quinta, Zunga informou que a organização do evento popular espera um público de cerca de 50 mil pessoas. Em 2003, quando Lula tomou posse pela primeira vez, a estimativa do PT e dos partidos aliados foi de que estiveram na Esplanada dos Ministérios cerca de 120 mil pessoas. No entanto, cálculos da Defesa Civil de Brasília feitos com base em fotos aéreas da Esplanada indicaram que aproximadamente 71 mil pessoas estiveram na posse de 2003. Crise aérea Dirigente do PT do Distrito Federal e também coordenador do comitê de posse, Vilmar Lacerda afirmou que são esperadas caravanas de vários Estados. Elas devem chegar em cerca de 300 ônibus. Desses 300 ônibus, 70 deverão ser ocupados por integrantes de movimentos sociais rurais. Zunga explicou que o partido estava encontrando dificuldades para alugar ônibus para transportar as pessoas para Brasília por causa da crise do setor aéreo. Devido às dificuldades enfrentadas pelos passageiros das companhias aéreas, a procura pelo transporte rodoviário aumentou. O PT deverá divulgar nos próximos dias quanto será gasto com a comemoração. Mas, segundo Lacerda, o montante desembolsado pelo partido deverá ficar entre R$ 500 mil e R$ 600 mil. Partidos da base aliada e movimentos sociais também deverão colaborar. A Presidência da República e o Ministério da Cultura vão bancar outros R$ 1 milhão. Em Brasília e nas cidades-satélites foram distribuídos nos últimos dias convites para que as pessoas compareçam à posse. "Segundo governo, um novo começo", é uma das mensagens do convite. Nele, está impressa a programação do evento. Às 14 horas deverá ser iniciada a concentração na Esplanada dos Ministérios. Às 15h30 está previsto o desfile do presidente Lula em carro aberto pela Esplanada. Às 16 horas deverá começar a cerimônia de posse no Congresso. Para as 19h30 está previsto o início de shows musicais na Praça dos Três Poderes.

Agencia Estado,

29 Dezembro 2006 | 18h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.