Fachin vai tratar com prioridade análise sobre sigilo de áudio da JBS

Relator do caso JBS no Supremo decide se mantém integral ou parcialmente sigilo de material

Breno Pires, O Estado de S.Paulo

05 Setembro 2017 | 13h17

BRASÍLIA - O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), tratará como prioridade nesta terça-feira, 5, a análise do áudio da conversa entre os delatores da JBS Joesley Batista e Ricardo Saud e pretende decidir o mais rápido possível se mantém ou se retira integral ou parcialmente o sigilo do material. Até as 12h30 desta terça-feira, o áudio ainda não havia chegado ao gabinete. 

Caberá a Fachin, por ser o relator do caso JBS, decidir sobre o sigilo do diálogo, cujo conteúdo a Procuradoria-Geral da República (PGR) classificou como "gravíssimo". São quatro horas de áudio para analisar, e interlocutores do ministro acreditam que é improvável a decisão sair até o final do dia, mas nenhuma possibilidade pode ser descartada.

Fachin tem na agenda a sessão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), como ministro substituto. Nesta terça-feira não haverá sessão da 2.ª Turma do STF, da qual Fachin é presidente, porque três ministros dos cinco da turma estão em viagem internacional, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli.

Na interpretação da PGR, o áudio traz indícios de omissão de crimes por parte dos delatores e também lança a suspeita de que o ex-procurador da República Marcelo Miller "teria atuado como em favor dos colaboradores Joesley Batista e Ricardo Saud antes de se exonerar da sua função de membro do Ministério Público Federal". 

No meio político, em Brasília, cresce uma pressão para uma divulgação rápida dos conteúdos.

Conteúdo. Os novos áudios da delação de executivos da J&F entregues à Procuradoria-Gereal da República (PGR), na semana passada, citam os nomes de três ministros do Supremo Tribunal Federal (STF): Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e a presidente da Corte, Carmén Lúcia. Em nenhum deles, há menção ou atribuição a algum tipo de crime, de acordo com informações apuradas pelo Estado. 

O ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo também é citado em trechos das gravações publicados pela revista Veja nesta manhã de terça-feira, 5. Segundo eles, “se pagassem” o petista, “pegariam o Supremo”. 

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, abriu procedimento administrativo para investigar omissão de informação à PGR por parte dos delatores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.