André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Fachin tira de Moro e envia para São Paulo inquérito contra Skaf

Defesa do presidente da Fiesp argumentou que caso não deveria ir para Moro já que fatos envolveriam 'apenas contribuições eleitorais' na época que disputou governo

Isadora Peron, Breno Pires e Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2017 | 10h42

BRASÍLIA - O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), retirou do juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara de Curitiba, um inquérito aberto contra o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, com base na delação da Oderebcht. O caso será enviado à Justiça Federal de São Paulo.

Segundo Marcelo Odebrecht, ex-presidente da empreiteira, foram repassados R$ 2,5 milhões a Skaf durante a campanha de 2014. A solicitação foi feita por Benjamin Steinbruch, presidente à época da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), e paga pelo setor de propina da Odebrecht. Os recursos não teriam sido declarados ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

No agravo enviado ao STF, Skaf argumentou que o caso não deveria ir para Moro já que os fatos envolveriam “apenas contribuições eleitorais” ocorridas quando disputou o governo de São Paulo. Steinbruch também alegou que o episódio não tinha relação com o esquema de desvio da Petrobrás.

Em sua decisão, Fachin disse que “à luz dessas considerações”, o caso deveria ser remetido à Seção Judiciária de São Paulo. 

Lula e Cunha. Na última terça-feira, o ministro já tinha determinado que duas frentes de investigação contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), com base na delação de executivos da Odebrecht, fossem retiradas de Moro e enviadas à Justiça Federal do Distrito Federal. Uma terceira investigação contra Lula ficará com a Justiça Federal de São Paulo. Fachin também determinou que fosse enviada à Justiça Federal do Distrito Federal a investigação sobre a suspeita de que o ex-deputado federal Eduardo Cunha contratou a empresa de segurança privada Kroll para conter a Lava Jato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.