Fachin solicita manifestação da PGR sobre pedido de Temer para intimar peritos

Ministro do STF reage após defesa do presidente pedir informações sobre áudio de conversa gravada com empresário

Rafael Moraes Moura e Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

30 de junho de 2017 | 16h51

BRASÍLIA – O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), solicitou à Procuradoria-Geral da República (PGR) manifestação sobre três pedidos apresentados pela defesa do presidente Michel Temer referentes às gravações feitas pelo empresário Joesley Batista.

A Polícia Federal concluiu na semana passada que o áudio da conversa gravada pelo empresário Joesley Batista com o presidente no dia 7 de março, no Palácio do Jaburu, não foi editado ou adulterado.

Na quarta-feira, 28, os advogados do presidente pediram ao ministro a intimação dos peritos que elaboraram o laudo para que, em um prazo de 10 dias, apresentem respostas a 12 “quesitos adicionais” apresentados pela defesa, “para que não se tenha qualquer dúvida acerca do conteúdo técnico da perícia”.

A defesa do presidente também pediu acesso aos aparelhos gravadores, “supostamente utilizados na gravação periciada, a fim de que realizem seus testes, sempre no objetivo de contribuir com a realização plena de justiça”.

O terceiro pedido dos advogados de Temer é para que os peritos responsáveis pelo laudo encaminhem “em arquivos específicos, devidamente identificados, as sete gravações apagadas e recuperadas durante o trabalho pericial, a fim de subsidiar a ampla defesa dos subscritores”.

“Por meio da Petição 0036787/2017, Michel Miguel Elias Temer Lulia requer a intimação dos peritos para esclarecimentos, bem como acesso aos dois (2) gravadores e a juntada de gravações recuperadas pelo trabalho pericial. Considerando que os autos encontram-se em carga com o Procurador-Geral da República, envie-se o pleito, por expediente avulso, para que também se manifeste acerca do contido”, determinou Fachin, em decisão assinada na quinta-feira, 29.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.