Fabricante do Rafale começa a normalizar produção

A situação da fabricante de aviões francesa Dassault se estabilizou, embora ainda não tenha se iniciado uma recuperação a pleno vapor, disse um representante dos empregados da companhia ao jornal de negócios Les Echos. A empresa fabrica o caça Rafale, o preferido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a renovação da frota da Força Aérea Brasileira (FAB), que pretende comprar 36 aviões. Outro modelo da Dassault é o jato executivo Falcon.

AE-DOW JONES, Agencia Estado

08 de janeiro de 2010 | 06h29

  

Veja também:

link FAB entrega relatório sobre caças que agrada ao Planalto

link Sobre caças, Amorim adverte: 'O barato às vezes sai caro'

link Nicolas Sarkozy faz elogios ao Brasil e não fala sobre caças

A estabilização da empresa possibilitará que suas fábricas de Seclin e Argenteuil voltem à produção normal em março, disse a fonte do Les Echos, um integrante não identificado do conselho de trabalho da companhia. A crise econômica obrigou a Dassault a reduzir a produção e diminuir a jornada de trabalho.

Segundo a reportagem, as unidades de Martignas e Biarritz continuarão sob regime de tempo parcial, embora o número de dias de paralisação da produção diminua para três por mês. Atualmente, essas unidades ficam paradas por seis e cinco dias por mês, respectivamente.

"A situação se estabilizou, mas é difícil falar em melhora", afirmou o representante dos empregados. Porém, "as previsões de cancelamento de pedidos que levaram às medidas de corte de produção parecem ter sido superestimadas", acrescentou.

Na licitação da FAB, o Rafale concorre com o F-18, da norte-americana Boeing, e com o sueco Gripen NG, preferido pela Aeronáutica. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
DefesacaçasDassault

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.