Fábrica de lingüiça é interditada pela segunda vez

A Vigilância Sanitária de Campinas interditou hoje, pela segunda vez em 18 meses, uma fábrica clandestina de lingüiça, no bairro Satélite Íris 1, e apreendeu aproximadamente 5 toneladas de produtos, entre embutidos, tripas, massa de carne, fetos e couro animal. O local operava sem alvará municipal. Também não tinha licença do Serviço de Inspeção Federal (SIF) nem da Vigilância Sanitária Municipal. O material apreendido foi inutilizado e transportado para o aterro municipal de Campinas. A operação de vistoria ocorreu após denúncia anônima, com autorização judicial. Foi coordenada por técnicos da Vigilância e do SIF, com apoio da Guarda Municipal e da Polícia Civil. A manipulação de produtos de origem animal sem condições adequadas de higiene podem provocar contaminação por fungos e bactérias. O consumo de alimentos contaminados, alertou o coordenador da Vigilância Sanitária de Campinas e médico sanitarista Vicente Pisani Neto, causam danos à saúde como problemas gastrointestinais, toxoplasmose, verminoses graves e infecção alimentar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.