FAB pode enviar avião para resgatar brasileiros no Suriname

A pedidos do Itamaraty, Força Aérea deve buscar feridos em ataques em represália a morte de surinamês

Solange Spigliatti, da Central de Notícias,

29 de dezembro de 2009 | 12h47

O Ministério das Relações Exteriores estuda a hipótese de enviar um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para buscar os brasileiros feridos durante o ataque na região de Albina (a 150 quilômetros da capital Paramaribo), no Suriname. Em meio às novas ameaças de violência contra brasileiros, desta vez na área de Tabaki, o Itamaraty conseguiu que o governo surinamês reforçasse o policiamento na região. Um grupo de 20 policiais foi enviado para o local.

 

Veja também:

linkEmbaixada pede cuidado com áreas de risco no Suriname

linkSuriname fala holandês e pratica hinduísmo na América do Sul

linkSituação no Suriname caminha para normalidade, diz Itamaraty

linkSuriname prende 35 suspeitos de confronto com brasileiros

linkBrasileiros contam como escaparam da morte no Suriname

 

Paralelamente, o Itamaraty ordenou um mapeamento de todos os brasileiros que vivem no Suriname. Por falta de dados oficiais e documentos legais, a estimativa é de que o número de brasileiros residentes no país esteja entre 12 mil a 22 mil, sendo a maioria em áreas de garimpo. Haveria também brasileiros envolvidos com prostituição e com tráfico de drogas.

 

Na noite do último dia 24, cerca de 200 estrangeiros, entre brasileiros e chineses, foram atacados por quilombolas surinameses em Albina. Na região vivem principalmente garimpeiros e suas famílias, que não dispõem de documentos legais. No entanto, a motivação do ataque teria sido um suposto crime envolvendo um brasileiro e um "marrom" - como são chamados os quilombolas (descendente de escravos).

 

Também há informações de que pelo menos 20 mulheres teriam sido estupradas, mas o Itamaraty não confirma as denúncias. A entidade brasileira, porém, pediu, porém ao governo do Suriname que investigue as denúncias.

 

Por enquanto, há cinco brasileiros internados em hospitais do país. Um deles, em estado mais grave, pode ter o braço amputado em decorrência de ferimentos causados por cortes de facão. Não há risco de morte entre os feridos, segundo o Itamaraty. Depois do ataque, na véspera do Natal, 25 brasileiros foram hospitalizados.

 

A Embaixada do Brasil em Paramaribo informou que todos os brasileiros que estavam em Albina foram retirados do local. A orientação é para que evitem áreas de risco no Suriname. A medida vale, inclusive, para jornalistas que fazem reportagens no país. As informações são da Agência Brasil.

Tudo o que sabemos sobre:
SurinameFABataque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.