Extinção da Sudene responde a "clamor nacional"

O presidente Fernando Henrique Cardoso disse que a parte mais difícil da ação governamental para acabar com o clientelismo e a corrupção ficou para o final, com a extinção da Sudam e da Sudene. Ele lembrou que chegou a extinguir o Departamento Nacional de Obras contra a Seca (Dnocs) por medida provisória, mas o Congresso Nacional reativou o órgão tal como ele era. Segundo o presidente, o espírito que norteou a criação da Sudene não será extinto, mas renovado. "Nós vamos extinguir a captura da Sudene e sobretudo da Sudam por interesses que não são aqueles que motivaram os seus idealizadores", afirmou. Segundo o presidente não foi fácil para o governo chegar à extinção da Sudene. "Isso só foi possível em razão do clamor nacional". ?Espero que o Congresso Nacional não altere isso como fez com o Dnocs". O presidente disse ainda que a maioria dos casos que estão sendo revelados e discutidos hoje, sobre a Sudam e a Sudene, são do passado. Segundo ele, o governo vê com bons olhos a indignação da sociedade com relação aos casos de desvio de recursos públicos. "O governo vê isso com bons olhos e não fará nada, reitero, para encobrir. Uma coisa é a aliança política para seguir um programa e mudar o Brasil. Outra coisa são erros pessoais cometidos por quem quer que seja, que não tem por que ser acobertado", acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.