Exposição mostra os hábitos alimentares do brasileiro

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), órgão vinculado ao Ministério da Agricultura e Abastecimento, promove até o próximo sábado, em São Paulo, a exposição "Terra e Alimento - Panorama dos 500 Anos de Agricultura do Brasil. Localizada em uma área de 200 metros quadrados no andar térreo do Morumbi Shopping, na zona oeste, a exposição traça a história dos hábitos alimentares brasileiros, desde pouco antes do Descobrimento até a atualidade. Segundo a assessora de comunicação do evento, Elisa Monteiro, a exposição aproveitou uma brecha deixada pelo Comemoração dos 500 Anos do Descobrimento. ?Muito se falou sobre os 500 anos, mas ninguém abordou a agricultura e os costumes alimentares do povo brasileiro?, destaca.A exposição foi dividida em quatro partes, que abordam de forma cronológica os costumes de cultivo e alimentação, relacionados com fatos históricos. Na primeira área temática, batizada de ?Explorando as Raízes?, os painéis ilustrativos trazem relatos sobre a dieta alimentar dos nativos que habitavam o País antes da chegada dos navios portugueses. Há ainda um espaço reservado para explicações sobre o preparo e cultivo da mandioca, muito popular entre as tribos indígenas. A segunda parte da exposição (?Colhendo os Frutos da História?), trata do intervalo histórico que vai do ano de 1500 até 1930. Os organizadores do evento optaram por subdividir esta área, tratando primeiramente do Pau-Brasil (1500 a 1550). Logo após (1550 a 1700) está exposta a fase da cana-de-açúcar e da escravidão. Entre 1700 a 1800, os rebanhos ganham força entre os costumes alimentares, diante da necessidade de espalhar o gado pelo Brasil com a aparição das capitanias hereditárias.A exposição revela que, nesta época, produtos como o arroz, a erva-mate, a carne de charque e o milho entram para os hábitos alimentares, devido à sua maior conservação, que permitia suportar grandes viagens sem risco de estrago. Entre 1800 e 1930, o panorama do evento trata da explosão do café e da vinda dos imigrantes para o Brasil para produzir o produto. Na década de 30, com o declínio do café e dos barões que se ergueram na sociedade, a agricultura brasileira assiste a uma diversificação agrícola, em que se enfatiza, por exemplo, a produção de algodão. Em ?Temperando o Arroz com Feijão?, terceira parte da visita, a abordagem chega à atualidade, destacando os costumes alimentares regionais dos Estados brasileiros. Na última parte do exposição, nomeada de ?Cultivando o Futuro?, o visitante acompanha as perspectivas das pesquisas voltadas para a produção de alimentos mais saudáveis.Neste segmento, estão expostos dois equipamentos, desenvolvidos pela Embrapa, que tratam de biotecnologia. O primeiro deles é um congelador de embriões. Ao contrário de máquinas semelhantes desenvolvidas anteriormente, o equipamento permite o congelamento controlado (sem queda brusca de temperatura) de óvulos. Segundo o pesquisador da Embrapa, Rubens Bernardes, ?é possível pegar uma matriz de óvulos de excelente qualidade e se multiplicar espécies de grande valor genético, produzindo, por exemplo, carne e leite de mais qualidade?, explica. O outro equipamento em exposição mede a qualidade da clara do ovo e é voltado para o interesse das grandes cooperativas e granjas. A máquina consegue avaliar a qualidade protéica da clara, através da sua disposição em cima de um disco. Segundo Bernardes, quando mais concentrada estiver a clara do ovo, maior é a qualidade da proteína.A Exposição Terra e Alimento - Panorama dos 500 Anos de Agricultura do Brasil - é gratuita e fica aberta ao público das 11h30 até as 22 horas. A previsão dos organizadores é de que, até sábado, cerca de mil pessoas passem pela exposição. Já apresentado em Brasília e no Rio de Janeiro, o evento itinerante segue depois de São Paulo para Curitiba.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.