Exposição mostra agressão a animais nos zoológicos

O homem representa um perigo potencial para bichos até mesmo em zoológicos. Uma exposição organizada neste mês pelo parque da Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul, em Sapucaia do Sul, na região metropolitana de Porto Alegre, mostra objetos como saltos de sapatos, meias, vidros de perfume e até peças de freios de automóveis encontrados em necropsias. A idéia é convencer os visitantes a desistirem de atirar o que tem nas mãos para fazer com que os animais se movimentem.O médico veterinário Cláudio Giacomini não fez um estatística dos acidentes causados por objetos atirados aos bichos, mas é capaz de contar diversas histórias trágicas. As emas estão envolvidas nas ocorrências mais comuns. A ave não tem paladar e tende a engolir qualquer coisa que estiver no chão, especialmente as brilhantes, como os vidros. Uma delas morreu engasgada com um componente de freio de automóvel.Outra ave vitimada por objetos deixados pelos visitantes do parque foi uma seriema que engoliu uma meia soquete. Há também o caso do salto de sapato que, engolido por um hipopótamo, obstruiu o reto e provocou uma contaminação que matou o animal. A mesma exposição, que fica aberta até 29 de junho, mostra armas, motosseras e a degradação do meio ambienta causada pela corte de árvores e matança de animais, representada por carcaças, ninhos, penas e ovos que não foram chocados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.