Explicação de Mantega sobre impostos 'não desceu', diz senador

Líder do PSB, Casagrande diz que justificativa do ministro sobre aumento de impostos não convenceu sociedade

Fabio Graner, de O Estado de S.Paulo

10 Janeiro 2008 | 15h49

O líder do PSB no Senado, senador Renato Casagrande (ES), afirmou nesta quinta-feira, 10,  que declarações como a do ministro Guido Mantega (Fazenda) de que o compromisso do governo era o de não aumentar impostos apenas em 2007 não contribuem para o bom andamento das relações no Congresso Nacional e "não desceram junto à sociedade". Mantega fez a declaração para justificar a elevação da carga tributária, anunciada poucos dias depois de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter afirmado que, entre as medidas destinadas a compensar a perda da CPMF, não havia aumento de impostos. Casagrande criticou a relação do governo com o Congresso dizendo que houve falta de planejamento do Executivo na execução do Orçamento e na atenção aos parlamentares aliados, o que acaba resultando, em momentos de maior necessidade do governo, no predomínio da barganha política para que o Executivo faça valer seus interesses no Congresso. Na avaliação do líder do PSB - partido aliado ao governo - o anúncio de aumento de impostos feito pelo governo no primeiro dia útil de 2008 "azedou" a relação do Executivo com o Legislativo. Casagrande disse que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva se esforçará ao máximo para evitar cortes no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), pois quer que o programa seja a marca de seu segundo governo. O líder do PSB, destacando que as emendas parlamentares de bancada são importantes porque destinam recursos para grandes obras nos Estados, afirmou que os cortes em emendas devem ser feitos "de forma seletiva". O ministro Paulo Bernardo vem defendendo corte das despesas previstas em emendas de bancada. Casagrande, como a maioria dos líderes dos partidos aliados, já está reunido, no prédio do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, com os ministros Paulo Bernado (Planejamento) e José Múcio Monteiro (Relações Institucionais) para discutir a questão dos cortes na proposta orçamentária. Outro senador que participa da reunião é Epitácio Cafeteira (MA), que defendeu, ao chegar, a preservação dos recursos orçamentários destinados ao PAC e a preservação dos recursos orçamentários previstos em emendas individuais.

Mais conteúdo sobre:
CPMFMantegaCasagrande

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.