BBC
BBC

Expansão da base de Alcântara enfrenta impasse com quilombolas

Grupo questiona obras de ampliação e diz que projeto não beneficia comunidade local

BBC Brasil, BBC

17 de fevereiro de 2011 | 13h06

A base de Alcântara, no norte do Maranhão, tem outro desafio além de fazer um lançamento bem-sucedido do foguete ucraniano Cyclone-4, previsto para 2012: os planos governamentais de expandir a base para projetos futuros esbarram nas comunidades de estimados 2 mil quilombolas que vivem na região.

 

Veja também: 

link Brasil prepara lançamento inédito de foguete em 2012

Segundo Servulo de Jesus Moraes Borges, representante do Movimento dos Afetados pela Base de Alcântara (Mabe), o caso está em debate em uma câmara de conciliação, sem previsão de conclusão. Se aprovados, os planos de expansão podem dobrar o tamanho da base, que atualmente tem cerca de 8,5 mil hectares.

Borges disse que seu movimento "não aceita o avanço dentro das áreas dos quilombolas, porque se criariam precedentes políticos".

Segundo ele, os quilombolas ficam atualmente apenas com os "subempregos de pouca qualificação" oferecidos pela base. "O projeto não beneficia a comunidade local, faltam investimentos em educação e em qualidade de vida", disse à BBC Brasil.

O presidente da Agência Espacial Brasileira, Carlos Ganem, aposta no bom relacionamento com os quilombolas e afirmou que essas comunidades "deverão ser tratadas como clientes prioritários". "A população encontrou um colaborador no programa espacial brasileiro", disse. 

A previsão é de que o lançamento do foguete Cyclone-4, preparado em parceria entre Brasil e Ucrânia, ocorra com a base de Alcântara nas atuais dimensões.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.