Exército vai reestruturar PM de Tocantins

Dois coronéis do Exército irão, a partir de agora, comandar a Polícia Militar de Tocantins, que ficou 12 dias em greve, na semana passada. A intensidade do movimento grevista no Estado, que foi liderado por soldados, cabos e sargentos, foi considerado um dos mais graves já ocorridos nos últimos três anos e quase terminou em um confronto entre os manifestantes e tropas federais. Na versão do governo, os militares do Exército foram chamados para organizar a PM, que tem pouco mais de 10 anos de existência.Mas setores de inteligência da própria PM e do governo federal descobriram a existência de várias facções na instituição, o que poderia gerar uma onda de violência entre os policiais militares. Para comandar a PM, o Exército indicou o coronel Arthur Domício de Araújo Guerra, enquanto outro coronel, Siegfried Starline de Albuquerque será o chefe do Estado-Maior da PM tocantinense.O recurso usado no Estado foi o mesmo adotado em Alagoas, em 1997, quando um general assumiu a Secretaria de Segurança Pública estadual e um coronel da Polícia Militar, durante o período em que havia insatisfações dentro da tropa. A greve da PM de Tocantins durou 12 dias e só terminou por causa da interferência direta do general Sérgio Cordeiro, comandante militar do Planalto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.