Exército omite ataque das Farc no Amazonas

Há 15 dias, quase 200 índios tiveram de fugir da própria aldeia em território brasileiro depois de terem sido ameaçados por membros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Uma semana depois, um posto do Exército brasileiro de controle da fronteira foi atacado. Somente agora a história veio à tonaUm barco com características colombianas desceu o Rio Japurá. Dentro dele havia um grupo, quatro homens e um mulher, parecido com que os índios já haviam descrito. Assim que avistaram o posto de controle de fronteira do Exército instalado na margem brasileira do rio os tripulantes abriram fogo. Os soldados revidaram e afundaram o barco. Nenhum corpo foi encontrado. O Exército não divulgou nada sobre o incidente Na sexta-feira passada, num encontro em Manaus (AM), o comandante do Exército, general Gleuber Vieira, negou qualquer conflito na fronteira. Nesta terça-feira, o comandante militar da Amazônia, general Guilherme de Figueiredo, confirmou o tiroteio. Segundo ele, a preocupação agora é conseguir comida para os índios. À noite, o Centro de Comunicação do Exército divulgou nota oficial, informando que foi instaurado um inquérito militar para apurar o caso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.