Exército e Marinha apoiarão combate à dengue no Rio

O Exército e a Marinha vão oferecer um novo reforço no combate à dengue no Rio de Janeiro. Além de fornecer homens para acabar com os focos do mosquito, o Instituto de Biologia do Exército vai realizar testes de laboratório e um hospital da Marinha no Rio poderá criar leitos para atender vítimas da doença.Essa foi a conclusão da primeira reunião entre técnicos da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) e representantes do alto comando do Exército e da Marinha. "Ficou acertado que vamos fornecer recursos humanos e o trabalho do Instituto de Biologia do Exército e um hospital da Marinha", explicou o coronel Ivan Cosme, reponsável pela Comunicação Social do Comando Militar do Leste.O treinamento dos soldados só deve ocorrer depois da próxima reunião, marcada para sexta-feira. Segundo o coronel Cosme, o efetivo do Exército e da Marinha somente irá para a rua após receber treinamento. Os militares farão o mesmo trabalho dos agentes da Funasa, realizando visitas aos domicílios para combater focos do mosquito. Na reunião não ficou definido quantos homens vão participar da ação estabelecida pelo ministro da Saúde, José Serra. Mas ontem o ministro havia dito que pelo menos mil homens devem integrar essa força-tarefa. "Temos uma redução de 30% no efetivo, mas isso não será problema", garante o coronel Cosme. "Vamos conseguir porque estamos tomando esse pedido do ministro como missão".O problema de reunir muitos homens é que os novos recrutas começam a trabalhar no início de março.A reunião contou com a presença de representantes do Instituto de Biologia do Exército, que devem começar a receber kits de testes de dengue do ministério para ajudar a reduzir o volume de trabalho no Laboratório Noel Nutels, que hoje não consegue dar conta do grande número exames para detectar a doença. O Rio já registrou mais de 25 mil casos de dengue, dos quais 9.264 na cidade. Pelo menos 11 pessoas morreram.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.