DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Executiva nacional do PSB está reunida para avaliar crise política

Integrantes da executiva vão avaliar o atual momento político e a permanência na base do governo de Michel Temer

Isabela Bonfim, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2017 | 11h01

BRASÍLIA - A Comissão Executiva Nacional do PSB se reúne neste sábado, 20, na sede do partido em Brasília. A reunião foi convocada pelo presidente da legenda, Carlos Siqueira, e começou por volta das 10h. Os integrantes da executiva vão avaliar o atual momento político e a permanência na base do governo de Michel Temer.

Logo após a divulgação do diálogo entre os donos da JBS e Michel Temer, autorizando a compra de silêncio do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o presidente do PSB pediu oficialmente que Fernando Coelho Filho (PSB) deixasse o cargo de ministro de Minas e Energia. A relação do PSB com o governo já não era das melhores. O partido vinha se posicionando contrariamente à agenda de Michel Temer, especialmente contra as reformas Trabalhista e Previdenciária. 

Além de Siqueira, estão presentes o vice-governador do Estado de São Paulo, Márcio França, a senadora Lídice da Mata (PSB-BA), o deputado Julio Delgado (PSB-MG), entre outros. 

O senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE), líder do partido no Senado, ainda não foi visto na reunião. Bezerra é o pai do ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, e tem sido apontado como o principal ponto de resistência do PSB na debandada do governo Temer. 

Na sexta-feira, 19, em entrevista ao Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, o senador avaliou como "positivo" o pronunciamento do presidente Michel Temer e afirmou que é necessário "cautela e prudência" do PSB sobre decisão de permanência do partido na base. "Está todo mundo conversando, não temos uma posição final. Vamos ver como será a decisão amanhã", disse. (Colaborou Julia Lindner)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.