Executiva do PMDB decide hoje formalização de apoio ao governo

O PMDB reúne hoje a sua Executiva para discutir sua relação parlamentar com o governo. A decisão tomada hoje poderá chegar até a formalização da adesão, com o conseqüente apoio às reformas da Previdência e tributária. Sua extensão ? se o PMDB ganhará uma vaga no ministério ainda este ano ou não ? depende de discussões dentro da base aliada, mas o apoio parlamentar às votações não deverá ter mais recuos.Com a adesão do PP (antigo PPB), o governo passa a ter, do ponto de vista formal, mais de 360 parlamentares. O líder do governo, Aldo Rebello (PC do B ? SP), aproveitou este passo político do governo para avisar de antemão que o jogo começou e que a base precisa entrar em campo para votar as reformas. Na agenda política, estão as votações dos pareceres da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara sobre as reformas previdenciária e tributária até o dia 5 de junho. À tarde, o deputado Maurício Rands (PT-SE) finalmente revela como sustentará a constitucionalidade da taxação dos servidores públicos aposentados com um contribuição de 11% sobre suas aposentadorias. E deverá no mínimo sugerir que a comissão especial da Câmara altere a regra para o subteto ? o maior salário do servidor público estadual ?, passando a tomar como referência o salário dos desembargadores e não o do governador como propôs o Ministério da Previdência. Logo depois, será iniciada a discussão da proposta de reforma tributária. O PT terá, de manhã, sua reunião de rotina para informar a bancada sobre o andamento da reforma tributária. Além disso, o PL decide se fecha questão sobre as mudanças constitucionais. O deputado Bispo Rodrigues (RJ) já antecipou que o partido pretende tirar da CCJ quem não concordar em apoiá-las. O primeiro sinal do atendimento à ordem unida do líder governista na Câmara terá que ser dado na votação da MP do salário mínimo no plenário da Câmara, onde o PSDB quer aprovar o valor de R$ 252. A oposição quer ter o gosto de ver o PT derrubar a proposta, mantendo a proposta original de R$ 240.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.