Executiva do PFL pode analisar denúncias contra Gratz

O senador Romeu Tuma (PFL/SP) disse que vai levar para a reunião desta quinta-feira da Executiva do PFL as acusações de abuso de poder econômico feitas pelo Ministério Público Eleitoral (MPE) contra presidente da Assembléia Legislativa do Espírito Santo, deputado José Carlos Gratz (PFL). Tuma ressaltou que caso o PFL abra processo de expulsão contra Gratz, ele poderá ser o relator, porque já reune várias informações sobre o deputado.Tuma, que está no Espírito Santo coordenando a reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito Mista do Roubo de Cargas do Congresso, da qual é presidente, recebeu denúncias sobre um suposto envolvimento de Gratz com o roubo de cargas no Estado. Ele admitiu que o deputado poderá ser chamado para prestar depoimento sobre as denúncias, cujo teor não foi divulgado. O senador disse que as acusações ainda estão sendo investigadas pela Polícia Federal e pela comissão e a divulgação poderia comprometer os trabalhos. PiadaHoje, o plenário do Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo também deverá julgar, em fase de recurso, a cassação do registro da candidatura do Gratz. Na semana passada o juiz substituto do TRE, Eupídio José Duque, decidiu cassar o registro de Gratz impedindo que ele seja diplomação no dia 18 de dezembro. Ele acatou a denúncia do MPE que acusa o parlamentar de captar votos ao realizar obras de asfaltamento em 80 ruas de Vila Velha, município da Grande Vitória. Se não houver decisão contrária da Justiça Eleitoral, Gratz não poderá assumir o próximo mandato, em 2003. O juiz também condenou o parlamentar a pagar R$ 50 mil de multa.Gratz disse que não está preocupado com o que pode acontecer na reunião do PFL e classificou como "piada" as declarações do presidente do senador Romeu Tuma de que a comissão tenha recebido várias denúncias sobre um suposto envolvimento dele com o roubo de cargas no Estado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.