Excesso de medidas provisórias de Lula divide o PT

O excessivo número de medidas provisórias editadas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva provocou divergências entre os deputados do PT nesta segunda-feira. Desde o dia 1º de abril a Câmara só está votando medidas provisórias. Atualmente, oito estão trancando a pauta dos trabalhos.Para o presidente da Câmara, João Paulo Cunha, "está na hora de o Executivo maneirar um pouco a edição de medidas provisórias". O líder do governo na Câmara, Professor Luizinho (PT-SP), afirmou que todas as medidas provisórias ?tratam de matérias urgentes e relevantes". Já o líder do PT na Câmara, Arlindo Chinaglia (SP), disse ser ?evidente que nem sempre se cumpre o critério constitucional de urgência e relevância para a edição das medidas provisórias?.O presidente da Câmara afirmou que, como as MPs com prazo de votação vencida têm prioridade sobre outros projetos, fica difícil prever quando a Câmara poderá votar matérias que estão tramitando. Ele citou como exemplo a emenda constitucional que desapropria terras onde há trabalho escravo. Chinaglia considerou que a emenda constitucional que limitou a edição de MPs produziu avanços, mas considera que seu uso continua banalizado. Luizinho acredita que as MPs editadas por Lula "são necessárias para dar o arcabouço legislativo para desemperrar o crescimento e promover a geração de emprego e renda".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.