Exames não mostram alteração em saúde de Arruda, diz PF

Governador licenciado se queixa de dores no tornozelo direito, que operou após romper o ligamento

Carol Pires e Sérgio Dutti, da Agência Estado,

09 de março de 2010 | 16h52

Fontes da Polícia Federal confirmaram nesta terça-feira, 9, que os exames feitos pelo governador afastado do Distrito Federal, José Roberto Arruda (sem partido, ex-DEM), na última segunda-feira, 8, no Hospital Juscelino Kubitschek, não revelaram alteração no estado de saúde dele. Preso há 26 dias por tentativa de suborno a uma das testemunhas do "mensalão do DEM", Arruda se consultou com um médico na manhã de segunda, após se queixar de dores no tornozelo direito, que operou em novembro após romper o ligamento. O governador afastado é acusado de comandar o esquema de corrupção revelado no governo local pela Operação Caixa de Pandora.

 

Veja Também:

linkSTJ aceita pedido para médico particular visitar Arruda

linkFlávia Arruda: recebimento de dinheiro é normal

 

Agentes que estiveram com o governador confirmam que o tornozelo dele está "visivelmente inchado", mas os exames médicos teriam apontado o inchaço como um sintoma "comum" a pacientes submetidos a procedimento cirúrgico.

 

Flávia Arruda, mulher do governador afastado, fez um desabafo na tarde desta terça-feira ao deixar a sede da Superintendência da Polícia Federal (PF), onde o marido está preso. Chorando muito e quase sem voz, Flávia reclamou que Arruda não completou o tratamento pós-operatório e está com um edema forte na perna direita, sem placa na safena, mas que há dois dias não consegue ficar de pé. Segundo ela, o pós-operatório deveria durar quatro meses, mas foi interrompido com a prisão do governador, ficando a fisioterapia limitada a alguns exercícios.

 

Ela relatou que Arruda fez exame de ultra-som dos pés ontem em um hospital de Brasília e que deverá tomar uma injeção preventiva de trombose. Além da autorização dada hoje pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) para que receba a visita de um médico particular na prisão, Arruda também conseguiu autorização judicial para receber a visita da filha mais nova, de pouco mais de um ano. Segundo relato da mulher de Arruda, a filha (Maria Luísa) está com 41 graus de febre e anda pela casa com os sapatos do pai para "matar as saudades".

 

O Hospital JK, onde o governador esteve na última segunda-feira, não divulgará novas informações sobre o atendimento prestado a Arruda porque, segundo a assessoria de imprensa deles, "o hospital não está autorizado". "Embora se trate de uma pessoa pública, por questões éticas, o Hospital tem a obrigação de resguardar as informações relativas ao paciente", afirma a única nota divulgada pelo hospital, na tarde de ontem.

Mais conteúdo sobre:
ArrudaSTJDEMDF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.