Exame no Sírio detecta volta de tumor em Alencar

Exames de rotina realizados ontem pela equipe do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, constataram a recorrência do câncer em pontos da cavidade abdominal do vice-presidente da República, José Alencar, de 77 anos. O local é o mesmo em que os médicos trabalharam para extirpar pequenos tumores, em cirurgia que durou 18 horas realizada no dia 25 de janeiro. A equipe médica, liderada pelos diretores Antônio Carlos Onofre de Lira e Riad Younes, está replanejando o tratamento que será oferecido a Alencar. Uma reunião, com data não divulgada, vai definir qual serão os procedimentos a serem adotados. O vice-presidente deixou o hospital no início da tarde de ontem e não ficará internado.O retorno do câncer pegou os médicos de surpresa. A cirurgia a que Alencar se submeteu em janeiro foi a mais radical de toda sua luta contra a doença, travada há mais de 10 anos. Foi retirada parte do intestino delgado e do intestino grosso, além de dois terços do ureter. À época, uma das principais preocupações era o funcionamento coração do vice-presidente. O cardiologista Roberto Kalil Filho apontava que seria impossível tamanha cirurgia sem riscos. Ele passou ao menos 20 horas sob efeito de anestesia.No entanto, Alencar saiu da mesa de cirurgia com quadro estável e evolução satisfatória. O processo de recuperação pós-operatória foi lento. Ao todo, o vice-presidente passou 23 dias internado. Deixou o hospital dia 17 de fevereiro sob aplausos por mais uma batalha vencida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.