Ex-servidor dos Correios que recebeu propina depõe na PF

O ex-chefe de departamento da ECT (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos) Maurício Marinho presta novo depoimento à Polícia Federal, no inquérito que apura denúncias de irregularidades nos contratos dos Correios com empresas privadas. Há cerca de um ano, ele foi o pivô da maior crise enfrentada pelo governo Lula que desencadeou a criação de três CPIs sobre os esquemas fraudulentos do mensalão e do valerioduto.Há cerca de um ano, uma fita de vídeo reproduzida pela revista Veja e exibida pela TV Globo mostrou Marinho recebendo propina de R$ 3.000 e afirmando que funcionava na ECT uma rede de corrupção da qual o chefe seria o então presidente do PTB, Roberto Jefferson. Essa declaração de Marinho e entrevistas de Jefferson afirmando que o então ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, seria o chefe dos esquemas de corrupção deram origem à CPI Mista dos Correios e à CPI do Mensalão.Na Polícia Federal, o inquérito sobre os Correios deverá ser concluído no próximo dia 26 e enviado pela PF ao Supremo Tribunal Federal, por causa de envolvimento de parlamentares, que têm direito a esse foro especial. Durante o inquérito da PF, foram auditados mais de 600 contratos entre a ECT e empresas privadas envolvendo mais de R$ 6 bilhões. As auditorias mostram irregularidades em mais de 40% dos contratos. O depoimento é tomado em sigilo pelo delegado Luiz Flávio Zampronha, encarregado do inquérito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.