Ex-senador confirma empréstimo, mas nega desvio de dinheiro

Devido a acusações de que teria desviado dinheiro do BRB, Roriz renunciou ao mandato: 'É operação privada'

DIDA SAMPAIO, Agencia Estado

26 Outubro 2007 | 19h24

Após mais de quatro horas de depoimentos, o ex-senador Joaquim Roriz (PMDB-DF) deixou a Delegacia de Combate ao Crime Organizado em Brasília confirmando a existência de um empréstimo com o presidente da Gol, Nenê Constantino, mas afirmando que a operação não envolveu questões públicas e nem dinheiro público. "O que aconteceu foi uma questão de comercialização de cunho empresarial. Portanto, é operação privada, não é pública. Não é crime", afirmou.       A denúncia surgiu durante as investigações da Operação Aquarela, da Polícia Civil do Distrito Federal, que apurava desvios de dinheiro no Banco de Brasília (BRB). Segundo a acusação, Roriz e o então presidente do BRB, Tarcísio Franklin de Moura, negociavam a divisão de R$ 2,2 milhões. O ex-senador confirmou o empréstimo de R$ 300 mil recebido de Constantino, alegando que o dinheiro foi usado para comprar uma bezerra. Supostamente, o dinheiro emprestado por Constantino viria da quantia de R$ 2,2 milhões, que ele alega ter ganho ao vender uma fazenda.   Roriz acumulou um patrimônio de R$ 4,48 milhões, conforme declaração apresentada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na última eleição. A lista de bens inclui 6.227 cabeças de gado avaliadas em R$ 2,85 milhões. Mas o interesse pela pecuária é relativamente recente. Em 2002, nenhuma cabeça de gado constava em seu patrimônio de R$ 5,59 milhões declarado à Justiça Eleitoral. Roriz alegou que como o inquérito está tramitando sob sigilo da Justiça, não poderia dar mais detalhes de seu pronunciamento. Disse que, embora inocente, decidiu renunciar a seu mandato de senador por se sentir "angustiado" e constatar que o episódio envolvendo denúncias contra ele se agravou por ter surgido em meio às acusações de que o presidente licenciado do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), teria despesas pessoais pagas por um lobista de uma empreiteira. Constantino também prestou depoimento hoje. Ele chegou à Delegacia por volta das 15 horas demonstrando bastante irritação com a presença de jornalistas e fotógrafos no local.

Mais conteúdo sobre:
Joaquim RorizConstantinoBRB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.