Ex-secretários negam negociação de contratos

Tribunal de Contas também repudia documento, por sua ?abrangência e generalidade?

O Estadao de S.Paulo

30 de maio de 2008 | 00h00

Pessoas e instituições citadas nas investigações suíças negam envolvimento com contas offshore e pagamento de propina ou preferem não comentar o caso. David Zylbersztajn, que comandou a Secretaria de Energia de São Paulo no governo Mário Covas, afirma desconhecer qualquer esquema de pagamento de comissões e nega ter envolvimento nas irregularidades apontadas pelos investigadores suíços. Acrescenta que não participou da negociação do contrato em questão, firmado entre Eletropaulo e Alstom. "Eu desconhecia até que a Eletropaulo tinha contrato com a Alstom." Ele informa que os diretores das estatais paulistas discutiam e avaliavam os contratos que firmavam, sem a participação do gabinete. "A secretaria não lidava com esse tipo de assunto."Outro ocupante da pasta, Andrea Matarazzo, através de sua assessoria, disse que não tem "qualquer informação sobre este assunto". Mauro Arce, sucessor de Matarazzo, também disse desconhecer o caso. A Eletropaulo alegou que não tem mais contratos com a Alstom desde 1999. E nem possui mais registros de contratos no período investigado - 1997 e 1998 -, pois foi privatizada em 1998. Para o Tribunal de Contas do Estado (TCE), a menção de "que estaria no texto de relatório produzido no exterior, referente a eventual ?remuneração?, que teria a instituição, genericamente, como destinatária, é insusceptível de esclarecimento específico. Por sua abrangência e generalidade, fica repudiada pelo tribunal, cujo nome pode ter sido indevidamente industriado por pessoas estranhas, que em busca de vantagens próprias podem ter utilizado o escudo da Corte, como passaporte para acesso a recebimentos indevidos".Tido como operador da conta que mais movimentou dinheiro - MCA Uruguay -, Romeu Pinto Júnior afirmou que as denúncias são parte de disputa entre grandes empresas. "Tive empresas de consultoria trazendo negócios para o País. É guerra de gente grande. Sempre cumpri meu serviço, e só depois de 12 anos isso começa a incomodar?" Procurados, Sabino Indelicato, da empresa Acqua Lux, e José Geraldo Villas Boas, da Taltos, não retornaram as ligações. O banco Sociètè Gènèrale informou que Jean Marie Lannelongue, consultor da instituição e dono da Splendore y Associados, não exerce "qualquer outra atividade dentro do grupo no Brasil ou no exterior."ALSTOMNa Europa, a Alstom distanciou-se dos nomes citados. Alega que a atual administração da empresa não estava na direção na época em que as supostas propinas foram dadas. "Não conhecemos esses nomes, inclusive porque nem sequer estávamos na empresa naquela época", explicou a vice-presidente para Comunicações, Christine Rahard. "Já deixamos claro que estamos cooperando com a Justiça."Ela confirmou que a Alstom decidiu aderir ao processo na Justiça suíça como parte civil. "Isso demonstra que queremos participar ativamente do processo, com acesso aos documentos e informações."A decisão é considerada por procuradores como uma manobra para que a empresa também tenha acesso às investigações, até hoje mantidas em sigilo. EDUARDO REINA, JAMIL CHADE e SÔNIA FILGUEIRAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.