Ex-secretário de Arruda desiste de habeas corpus

Welligton Moraes está preso por participar de suposta tentiva de suborno de testemunha

estadao.com.br,

26 Fevereiro 2010 | 13h22

O ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal (STF) homologou nesta sexta-feira, 26, o pedido de desistência do Habeas Corpus apresentado pelo ex-secretário de Comunicação do Distrito Federal, Welligton Moraes, preso no dia 11 por suposta tentativa de suborno do jornalista Edmilson Edson dos Santos, o "Sombra", testemunha no inquérito que investiga denúncias de desvios e apropriação de dinheiro público no governo de José Roberto Arruda.

 

Veja também:  

linkProcesso de impeachment de PO é extinto

linkQuatro advogados de Arruda deixam o caso

linkBusca de saída política afasta intervenção

linkAprovado processo contra deputado da meia

linkBlog do Bosco: Arruda negocia com o STJ

especialEntenda a operação Caixa de Pandora

 

No pedido de desistência do habeas corpus, o ex-secretário informa que revogou a procuração do advogado Bruno Rodrigues, que assinava a ação. Por isso, "é desautorizada a impetração e requerido o arquivamento do processo, sem julgamento de mérito". Ao acatar o pedido, o ministro Marco Aurélio, relator do caso, entendeu que "essa manifestação ganha contornos de desistência da impetração".

 

Inicialmente, a defesa de Morais pedia liminar para que pudesse responder em liberdade à acusação por tentativa de suborno de testemunha para beneficiar o governador e por falsidade ideológica. Além disso, acusava a ilegalidade da sua prisão no Complexo Penitenciário da Papuda, uma vez que ele não é citado no inquérito do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que investiga supostos desvios e apropriação de dinheiro público.

 

Em sua defesa, Morais chegou a afirmar que sua situação seria diferente da do próprio governador afastado, uma vez que a participação do ex-secretário na suposta tentativa de suborno "teria sido pontual e limitada, em suposta obediência ao governador, que inclusive teria ordenado sua retirada da suposta negociação".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.