TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO-8/5/2018
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO-8/5/2018

Ex-secretário condenado por improbidade é novo presidente do conselho de patrimônio de SP

Condenação ocorreu por irregularidades cometidas quando João Cury Neto era prefeito de Botucatu; entidades criticaram mudanças no Conpresp

Priscila Mengue e Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

08 de outubro de 2020 | 21h22

Ex-secretário da Educação na Prefeitura e no governo de São Paulo, o advogado João Cury Neto foi eleito nesta segunda-feira, 5, presidente do Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp), órgão que decide sobre tombamentos e emite autorizações para grandes construções da cidade. A nomeação para o cargo se deu após uma mudança na composição do conselho, feita pela gestão Bruno Covas (PSDB) que é criticada por entidades de arquitetos, professores universitários e associações de bairro. 

Cury é condenado em segunda instância por improbidade administrativae recorre da decisão que suspendeu seus direitos políticos por cinco anos. A condenação se deu após a contratação de um fornecedor de material para as escolas de Botucatu, durante sua gestão como prefeito, tida como irregular pelo Ministério Público.

Dentre outras atribuições, o Conpresp é responsável por aprovar restauros, reformas e outros tipos de interferências em todos os imóveis tombados ou com pedidos de tombamento da capital, além daqueles em áreas próximas, o que significa milhares de propriedades privadas e públicas na cidade. Dentre as pautas que deve receber em breve estão mudanças na remodelação do Pacaembu, projetos para o Parque do Ibirapuera e alterações advindas da futura concessão do Parque Fontes do Ipiranga, que inclui o Jardim Botânico e Zoológico, dentre outros.  

Cury assumiu o cargo no mesmo dia que tomou posse como conselheiro, ocupando o assento reservado à Secretaria Municipal de Cultura, uma das cinco cadeiras na Prefeitura no conselho (de um total de nove). A mudança na presidência ocorre três meses após a formação anterior ter escolhido a arquiteta Raquel Schenkman como presidente, considerada uma representante técnica para o cargo pela experiência no Departamento do Patrimônio Histórico (DPH).

Raquel havia sido eleita em junho, derrotando um engenheiro Cyro Laurenza, candidato que contava com o apoio da gestão Covas. Os representantes do conselho ligados ao patrimônio histórico-cultural vinham criticando a gestão do engenheiro, pelo que consideravam ser um alinhamento com o setor imobiliário. Ao ser derrotado, ele deixou o conselho.

A eleição da arquiteta, porém, foi anulada após uma ação judicial contestar o pleito. O argumento é que a pauta da reunião em que ocorreu a eleição foi publicada fora do prazo. Conselheiros que apoiam Raquel alegam que a pauta já havia sido divulgada anteriormente e que a reunião foi adiada porque caiu na semana do feriado prolongado imposto pelo governo do Estado naquele mês para conter o coronavírus.

Entre a eleição de Raquel e a eleição de Cury, a gestão Covas trocou todos os seus conselheiros, incluindo representantes que haviam votado na arquiteta. Seis dos nove nomes que a Prefeitura pode indicar foram substituídos, entre titulares e suplentes. Um dos novos representantes era o ex-secretário. A eleição também colocou um representante da Prefeitura na vice-presidência, o arquiteto Guilherme Dell’Arco, da Secretaria Municipal de Licenciamento. Ele derrotou o conselheiro Rubens Elias Filho, da OAB, que ocupava a vice-presidência na formação anulada.

Na votação, a representante do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), Eneida de Almeida, resolveu se abster e leu uma carta assinada pela entidade e outras 22 organizações, na qual acusam a gestão Covas de “defenestrar a presidente e o vice-presidente eleitos e substituir a maior parte dos conselheiros representantes das secretarias municipais, para a realização de uma nova eleição”.

Também presente na reunião, o secretário municipal da Cultura, Hugo Possolo, contestou o uso do termo “defenestrar” e alegou ter a prerrogativa de fazer alterações no corpo comissionado. “Reitero a preocupação dessa gestão com a transparência, a qualidade técnica e o sentido democrativo-republicado”, acrescentou. Declaração semelhante foi feita pelo novo presidente, que destacou as intenções de fazer “tudo de forma bastante transparente, republicana”.

A Prefeitura alega ter feito as alterações no conselho porque a “Procuradoria-Geral do Município entendeu que o descumprimento da decisão judicial colocaria em risco o patrimônio histórico-cultural, na medida em que todas as decisões do Conpresp a partir da eleição invalidada poderiam ser anuladas, criando uma enorme insegurança jurídica.”

Prefeitura defende nomeação

Em relação às nomeações, justificou que a medida é “habitual, realizada sempre que necessária para melhor organização administrativa e sempre visando a melhorar a defesa do patrimônio histórico e cultural encontrando respaldo nos princípios gerais do direito, em especial os princípios democráticos e republicanos, causando estranheza que entidades apresentem questionamentos quanto ao cumprimento de decisão judicial, da lei e da autonomia administrativa, em especial em momento eleitoral.”

Sobre a nomeação de Cury para o conselho, diz que o advogado "atuou diretamente ao longo de sua vida pública em parceria com o Conselho do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat), o próprio Conpresp e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan)". "Para citar apenas dois exemplos, restaurou o complexo ferroviário de Botucatu e implementou, no antigo Fórum da cidade, uma unidade da Pinacoteca no local em parceria com o governo do Estado", aponta. 

Além disso, destacou que a condenação do ex-prefeito de Botucatu se deve à contratação de um método de ensino de ciência por dispensa de licitação. "Em três julgamentos, o procedimento foi considerado regular em dois - Tribunal de Contas do Estado (TCE) e na primeira instância -, e irregular em um - segunda instância -, do qual recorreu e aguarda decisão", aponta. No site do TCE, na lista de contas irregulares, Cury aparece 12 vezes pelo período em que foi prefeito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.