JOSÉ LUCENA
JOSÉ LUCENA

Ex-secretária usava cartão de crédito de Adriana Ancelmo, dizem testemunhas

Advogada conta como funcionária atuava dentro de escritório da ex-primeira-dama do Rio

Mariana Sallowicz, O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2017 | 18h03

RIO - Duas testemunhas convocadas pela defesa da ex-primeira-dama do Rio Adriana Ancelmo relataram em depoimento à Justiça na tarde desta quarta-feira, 5, que a ex-secretária dela teria sido demitida após a descoberta de que utilizava os cartões de crédito tanto de Adriana quanto do seu sócio Thiago Aragão. Ainda assim, ela não teria sido mandada embora por justa causa.

A defesa de Adriana buscou nesta quarta trazer informações sobre uma suposta prática indevida de Michele Thomaz Pinto enquanto trabalhou para Adriana. Os depoimentos da ex-secretária, uma das testemunhas da acusação, reforçam as suspeitas de que o escritório de advocacia de Adriana era usado pela organização supostamente liderada por seu marido, o ex-governador Sérgio Cabral, para "lavar" dinheiro ilícito.

Uma das testemunhas foi a advogada Juliana Lacerda de Carvalho Luca, que trabalhou por 13 anos no escritório. Juliana, que atuava na área trabalhista do escritório, contou que os sócios descobriram primeiramente que Michele não emitia notas quando deveria ter feito. Depois, que ela teria falsificado a assinatura de Adriana e usado o cartão da ex-primeira-dama e do seu sócio.

"Ela fazia saques das contas, pagava os custos da vida pessoal dela com o dinheiro da Adriana", afirmou Juliana, acrescentando que Michele inclusive comprava roupas com o dinheiro da ex-primeira-dama. Juliana saiu do escritório em fevereiro e conta que à época eram em torno de 30 advogados e estagiários no Ancelmo Advogados.

Também contou que no período em que Adriana tinha outros sócios, eram cerca de 80 pessoas trabalhando no local. A testemunha da defesa também contou que Thiago teria descoberto a compra de um pacote de turismo por Michele feita com o seu cartão. Após isso, ela teria sido mandado embora, mas sem justa causa. "Ficaram com pena de demitir por justa causa", disse Juliana. A advogada afirmou ainda que Michele teve um relacionamento íntimo com Thiago, mas que à época do uso do cartão eles não estavam mais juntos.

Também foi ouvido Ary Guimarães Motta Neto, que presta serviço de TI no escritório de Adriana desde 2000. No depoimento, ele também relatou que Thiago teria descoberto uma tentativa de compra com seu cartão de crédito por Michele em uma agência de turismo. "Thiago questionou a Michele e ela foi mandada embora", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.