Pedro Venceslau
Pedro Venceslau

Ex-presidente interino da Câmara articula palanque 'Geraldino' no Maranhão

Aliado do governador Flávio Dino, Waldir Maranhão (PP) abriria palanque para Geraldo Alckmin em campanha por vaga no Senado em 2018

Pedro Venceslau e Valmar Hupsel Filho, O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2017 | 17h21

Conhecido nacionalmente por ter anulado as sessões do impeachment de Dilma Rousseff em maio do ano passado - e logo em seguida recuado da decisão - o deputado Waldir Maranhão (PP-MA) desembarcou nesta quarta-feira, 5,  em São Paulo para acertar sua filiação no PTB e dar os primeiros passos para o movimento “Geraldino” no Maranhão.

Aliado “incondicional” e “leal” do governador maranhense, Flávio Dino (PCdoB), o parlamentar pretende concorrer ao Senado pelo Estado no ano que vem e abrir seu palanque para o governador Geraldo Alckmin (PSDB), que pleiteia a vaga de candidato à Presidência em 2018 pelo PSDB.

“O Alckmin vai equalizar as forças políticas no Maranhão. Com certeza podemos ter uma aliança com ele lá, mas sem sair do grupo do Dino”, disse Maranhão ao Estado.

Ele participou  nesta manhã de uma reunião em um hotel paulista com o deputado estadual Campos Machado, secretário-geral do PTB nacional, que já se alinhou publicamente com o projeto de Alckmin.

“A lealdade dele ao Dino é a mesma que eu tenho pelo Geraldo (Alckmin). O ato de filiação dele vai colocar o PTB no epicentro do Brasil”, disse Campos Machado.

Em 2014, Dino montou uma ampla aliança no Estado, para derrotar Rosenana Sarney, que reuniu no mesmo palanque o PSDB, PT, PSB e PCdoB.

O presidente nacional do PTB, o ex-deputado Roberto Jefferson, avalizou a filiação, mas fez uma ressalva. "O PTB recebe a nomeação lembrando a ele que a orientação no partido é não apoiar mais o PT. O grande arrependimento que o PTB tem é ter se aliado ao PT no passado . Isso não vai se repetir", disse.

Segundo Jefferson, a posição do partido é apoiar a candidatura do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin à presidência "ou quem ele indicar". "Estamos muito próximo do Alckmin como candidato a presidente e não vamos aceitar dissidência não. Ele (Maranhão) vai ser bem recebido mas depois não pode abrir uma dissidência para enfraquecer a unidade do partido", disse. 

Câmara. Na manhã desta terça, Maranhão explicou a anulação, com posterior recuo, do impeachment de Dilma e disse que não se arrepende. "A história vai provar que eu estava certo", disse ele sobre a anulação do processo. Segundo ele, a pressão para voltar atrás na decisão foi "insuportável" e sua permanência no cargo até a eleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) só foi possível porque ele tomou decisões favoráveis a Eduardo Cunha (PMDB-RJ). “Eu precisava recuar para estar vivo aqui hoje.” 

O parlamentar, que ao deixar a presidência da Câmara voltou ao baixo clero, garante que pretende fazer oposição ao governo Michel Temer até o final do mandato, apesar de estar em um partido da base governista.  “Cada deputado é uma ilha. Nesse arquipélago todos priorizam a sobrevivência política”, disse ele.

Maranhão chegou a se aproximar da gestão Michel Temer, mas segundo ele, migrou para a oposição após não conseguir “espaço político”.  O deputado afirma, ainda, que as reformas da Previdência e trabalhista “não são sustentáveis”. “Pelo sentimento das ruas, as reformas não são palatáveis”

Levantamento feito pelo Estado e divulgado nesta quarta mostra que a reforma da Previdência seria rejeitada por 240 deputados, mesmo com a opção de suavizar o texto. São 35 votos a mais do que o número máximo de contras permitido para que o texto seja aprovado - são necessários 308 votos a favor, o equivalente a três quintos dos 513 deputados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.