DIDA SAMPAIO/AE
DIDA SAMPAIO/AE

Ex-presidente do PSDB mineiro é preso em operação policial em Belo Horizonte

Narcio Rodrigues foi secretário da gestão Anastasia e é pai de deputado que dedicou voto do impeachment a lição de 'honestidade' dada por ele

Leonardo Augusto - Especial para O Estado   , O Estado de S.Paulo

30 de maio de 2016 | 11h56

BELO HORIZONTE - O ex-presidente do PSDB de Minas Gerais Narcio Rodrigues, que foi secretário no governo do hoje senador Antonio Anastasia (PSDB), foi preso nesta segunda-feira, 30, em Belo Horizonte. Ele foi levado pela manhã para prestar depoimento à Promotoria de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG). O tucano é investigado em operação deflagrada pelo MP, Polícia Federal e Polícia Militar. Ex-deputado federal, Narcio foi secretário de Ciência e Tecnologia de Antonio Anastasia entre 2011 e 2014.

A operação teria como objetivo investigar suposto desvio de recursos para a construção do Centro Internacional de Educação, Capacitação e Pesquisa Aplicada em Águas (Hidroex), erguido pelo governo de Minas em Frutal, no Triângulo Mineiro, cidade natal e reduto eleitoral de Narcio Rodrigues. A autorização para o início das atividades do centro foi assinada pelo então governador Aécio Neves, hoje senador por Minas e presidente nacional do PSDB, em fevereiro de 2010.

O filho de Narcio Rodrigues, o deputado federal Caio Narcio, acompanha o pai no MP. O parlamentar não atendeu a ligações feitas pela reportagem. Na votação pelo impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff (PT) na câmara, Caio Narcio votou a favor da admissão do pedido contra a petista, levantou a bandeira do Brasil e fez o seguinte discurso: "Por um Brasil onde meu pai e meu avô diziam que decência e honestidade não era possibilidade. Era obrigação. Por um Brasil onde os brasileiros tenham decência e honestidade. Por Minas, pelo Brasil, para os jovens que estão lá fora nas ruas, verás que um filho teu não foge à luta". Em seguida, disse sim e beijou a bandeira nacional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.